Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto

Marcelo diz que foi aplaudido em Luanda e critica os que falam em vaia

Presidente diz que aplauso à sua pessoa foi superior a todos na tomada de posse de João Lourenço.
Lusa 27 de Setembro de 2017 às 07:37
Marcelo Rebelo de Sousa foi o Chefe de Estado estrangeiro mais aplaudido pela multidão na tomada de posse do novo presidente angolano, João Lourenço
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo Rebelo de Sousa foi o Chefe de Estado estrangeiro mais aplaudido pela multidão na tomada de posse do novo presidente angolano, João Lourenço
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo Rebelo de Sousa foi o Chefe de Estado estrangeiro mais aplaudido pela multidão na tomada de posse do novo presidente angolano, João Lourenço
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
Marcelo na tomada de posse do novo Presidente de Angola
O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou esta terça-feira, em Luanda, que haja "um ou outro português distraído" que tenha considerado como uma vaia a ovação que Portugal recebeu do povo angolano.

Marcelo Rebelo de Sousa falava terça-feira à noite para a comunidade portuguesa residente em Angola, momentos antes de deixar Luanda, onde participou, esta terça-feira, na cerimónia de investidura do novo Presidente de Angola, João Gonçalves, durante a qual foi fortemente ovacionado, durante a sua apresentação.

O chefe de Estado português, que chegou segunda-feira a Luanda, referiu ter confirmado durante a sua estada no país, "o calor inequívoco do povo angolano relativamente a Portugal e aos portugueses, que não tem a ver com a pessoa do Presidente".

"A ovação de hoje, claramente superior a todas às outras na cerimónia, não foi dirigida à pessoa do Presidente, fosse o Presidente qualquer um, teria sido dirigida à Portugal e aos portugueses e eu só estranho o facto de haver portugueses que não gostam de ser aplaudidos por povos irmãos", criticou.

Segundo Marcelo de Sousa, os aplausos poderiam não ter acontecido e até "ninguém esperaria que tivessem acontecido".

"Mas, tendo acontecido, é estranho que sejam os presidentes dos outros países, os diplomatas dos outros países, a notarem e a felicitarem como [os angolanos] gostam dos portugueses e haja um ou outro português distraído que entenda que aquilo que os povos consideraram um aplauso acabou por ser uma vaia", ironizou.

Marcelo Rebelo de Sousa aplaudiu ainda as relações de fraternidade entre os dois povos, que se apoiam mutuamente, em momentos difíceis.

"Os povos português e angolano fizeram uma escolha, essa escolha tem a ver com a nossa história, com a nossa cultura, com a língua comum, com muito daquilo que uns e outros nos demos ao longo dos séculos, mas também tem a ver com hoje e com o amanhã", concluiu.
Ver comentários