Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

"Reduzida estatura discrimina pessoas"

Maria do Céu Seabra, coordenadora do núcleo de nanismo da Raríssimas, define objetivos de I congresso internacional.
27 de Outubro de 2013 às 09:50

Correio da Manhã – Quais os principais objetivos deste encontro?

Maria do Céu Seabra – Abordar uma grande variedade de temas, quer ao nível clínico como a nível social. Como é que a sociedade nos vê, quer no mundo do trabalho como em termos de barreiras arquitetónicas.

Há a preocupação de partilhar experiências com associações de outros países?

Há a necessidade de estabelecer parcerias. Trazer experiências do estrangeiro e partilhar o que existe no nosso país.

Ainda há discriminação para com as pessoas de tamanho muito abaixo do normal?

Ainda existe discriminação porque as pessoas tendem a selecionar aquilo que não conhecem. Perante o desconhecimento e a falta de informação a reduzida estatura discrimina as pessoas.

O vosso núcleo procura dar visibilidade às vossas capacidades?

Sim. Aquilo que nós, pessoas de muito baixa estatura queremos é ter uma integração tão boa como uma pessoa de estatura normal. E para isso são necessárias adaptações.

De que medidas concretas fala?

Medidas que melhorem a nossa funcionalidade no dia a dia. Falo de multibancos que não estão à nossa altura. Ou de hipermercados que têm prateleiras inacessíveis Para isso é necessário providenciar auxiliares que nos possam ajudar nas compras.

Quantas pessoas sofrem de nanismo em Portugal?

Serão entre 400 a 500. Mas é uma estimativa. Não existem números concretos.

A sociedade identifica as pessoas de muito baixa estatura como anões. Não gosta da palavra?

Não. Ofende e encerra um sentido de capacidade reduzida.

Maria do Céu Seabra nanismo anões
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)