Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto

Seis meses depois, Bruxelas ainda procura terrorista

Polícia continua atrás do "cérebro" dos atentados na Bélgica, Oussama Atar.
20 de Setembro de 2016 às 09:27
Bruxelas, Oussama Atar, Europa, Zaventem, Khalid El Bakraoui, Yassine Atar, Jawad Benhattal, Moustapha Benhattal, Bélgica, Iraque, fronteira, Síria, Abu Bakr, França, Najim Laachraoui, Ibrahim El-Bakraoui, Salah Abddeslam, Paris, distúrbios, guerras e conflitos, terrorismo, crime, lei e justiça, política, daesh
Bruxelas, Oussama Atar, Europa, Zaventem, Khalid El Bakraoui, Yassine Atar, Jawad Benhattal, Moustapha Benhattal, Bélgica, Iraque, fronteira, Síria, Abu Bakr, França, Najim Laachraoui, Ibrahim El-Bakraoui, Salah Abddeslam, Paris, distúrbios, guerras e conflitos, terrorismo, crime, lei e justiça, política, daesh FOTO: EPA
Seis meses depois dos atentados de Bruxelas, as autoridades continuam à procura de Oussama Atar, um belga de origem marroquina que fontes judiciais citadas pela imprensa admitem ser o "cérebro" dos ataques.

Atar, 32 anos, é qualificado por várias fontes policiais e judiciais como "um dos terroristas mais perigosos da Europa", dados os "muito fortes" indícios do seu envolvimento nos atentados que a 22 de março fizeram 32 mortos e 340 feridos no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maalbeek.

Oussama Atar é primo dos irmãos Ibrahim e Khalid El Bakraoui, que se fizeram explodir no aeroporto e na estação de metro da capital belga.

É também irmão de Yassine Atar, detido cinco dias depois como suspeito de preparar um atentado contra a "Marcha contra o medo", anulada por essa razão, primo de Jawad Benhattal e sobrinho de Moustapha Benhattal, detidos a 18 de junho por suspeita de prepararem um ataque durante o jogo Bélgica-Irlanda do campeonato europeu de futebol.

Mas Atar era conhecido da polícia desde 2012, quando regressou à Bélgica depois de quase nove anos de prisão no Iraque, onde foi detido por cruzar ilegalmente a fronteira com a Síria e condenado a 10 anos de prisão.

A libertação antecipada foi possível depois de a família, preocupada com o seu estado de saúde e as condições da detenção, organizar uma manifestação em Bruxelas e pedir o apoio do governo belga, que assegurou acompanhar o assunto com atenção.

No Iraque, Atar passou nomeadamente por Camp Bucca, a prisão norte-americana considerada o "berço" do grupo extremista Estado Islâmico, onde conheceu Abu Bakr al-Baghdadi, o líder do grupo 'jihadista'.

As autoridades admitem que esteja escondido na Bélgica, apesar de Atar ter alegadamente regressado à Síria em 2013 e de, em junho, segundo a imprensa francesa, os serviços de informações de França terem sido alertados de que Atar, "um combatente estrangeiro perigoso e armado", podia estar a tentar chegar a França através da Albânia.

No dia seguinte aos atentados de Bruxelas, a polícia fez buscas na sua residência, sem o encontrar. Desde então, as autoridades fizeram mais três buscas naquele local e no apartamento onde residem a mãe e uma irmã, a mais recente das quais a 13 de setembro, mas sempre sem sucesso.

Os atentados de 22 de março foram perpetrados materialmente por cinco homens, três dos quais morreram no momento e dois outros que estão detidos, segundo a investigação ainda em curso.

Às 07h58 de 22 de março de 2016, Najim Laachraoui, Ibrahim El-Bakraoui e Mohamed Abrini entraram no aeroporto de Zaventem disfarçados de passageiros comuns, com explosivos nas malas que transportavam em carrinhos de bagagem.

El-Bakraoui foi o primeiro a detonar a bomba. Segundo testemunhas, Laachraoui tentou correr por entre a multidão em fuga, mas a mala caiu do carrinho e explodiu prematuramente. Abrini fugiu, deixando para trás a mala armadilhada, desativada horas mais tarde pela polícia.

Às 09h11, Khalid El-Bakraoui, irmão de Ibrahim, fez-se explodir na estação de metro de Maalbeek.

Mohamed Abrini, o "homem do chápeu", foi detido a 8 de abril, juntamente com Osama Krayem, ou Naim Al Hamed, que terá sido o segundo homem em Maalbeek.

Hervé B.M. e Bilal El Makhoukhi, suspeitos de ajudarem os dois primeiros na preparação do atentado, foram detidos no mesmo dia.

A investigação policial permitiu detetar vários contactos entre Abrini e Krayem e Salah Abddeslam - detido em Bruxelas quatro dias antes dos atentados e suspeito da logística dos ataques de novembro em Paris -, o que reforçou a hipótese de ambos os ataques, reivindicados pelo Estado Islâmico, terem sido perpetrados por uma mesma célula terrorista.

Trinta e duas pessoas morreram nos atentados de Bruxelas e 340 ficaram feridas. Entre os feridos, 90 estavam em estado grave e foram hospitalizados.

Há um mês, quando passaram cinco meses sobre os atentados, o gabinete da ministra da Saúde, Maggie de Block, confirmou à imprensa que uma vítima permanecia hospitalizada.

Desde os ataques, sucederam-se as falsas ameaças de bomba e multiplicaram-se as operações policiais. A presença de patrulhas militares armadas nas ruas mantém-se até hoje.

A atividade no aeroporto e no metropolitano regressou à normalidade, apesar de em Zaventem haver ainda algumas dezenas de malas de viagem que ainda não foram restituídas às pessoas que ali estiveram no dia dos ataques.
Ver comentários