Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Autarca escreve romance histórico

Tem 41 anos, é presidente da Câmara de Penafiel, e esteve ontem à tarde pela Fnac do Colombo, em Lisboa, para apresentar o seu romance de estreia, ‘A Escrava de Córdova’, que teve honras de apresentação pelo jornalista e escritor José Rodrigues dos Santos. Alberto S. Santos, que falou ao CM sobre a aventura que está a viver, diz que, como tanta gente, a escrita começou com o desassossego. E com um grande desejo de realização pessoal.

23 de Junho de 2008 às 00:30
Alberto S. Santos enviou o livro para a editora assinado com pseudónimo
Alberto S. Santos enviou o livro para a editora assinado com pseudónimo FOTO: Pedro Catarino

'Todos nós alimentamos o sonho de fazer algo de diferente daquilo que fazemos no quotidiano, quer isso se manifeste em pintura, jardinagem, desporto ou viagens... No meu caso, foi a escrita', conta, acrescentando que a inspiração para o livro chegou de surpresa, na forma de um achado arqueológico na zona de Penafiel em 2006.

'Os historiadores encontraram um candil [lamparina árabe], cuja existência não conseguiam explicar', recorda. 'Isso lançou-me numa investigação sobre a passagem dos árabes pela Península, numa altura em que Portugal ainda não existia, há cerca de mil anos...'

Ano e meio depois, tinha obra feita; mas para que o seu nome não pesasse na escolha, enviou-o à Porto Editores sob o pseudónimo de Júlio Maresia. 'Gostaram do livro e só depois souberam que era eu quem o tinha escrito', acrescenta.

Misturando ficção e realidade, ‘A Escrava de Córdova’ conta uma história de amor proibido entre uma jovem cristã e um muçulmano.

'RECEBO LIVROS DIARIAMENTE'

Autor do prefácio de ‘A Escrava de Córdova’, José Rodrigues dos Santos disse na apresentação que recebe manuscritos com grande frequência – às vezes dois ou três por dia – mas nem todos consegue terminar. 'Acontece com frequência decepcionar-me, sobretudo com livros de pessoas que conheço e sobre as quais alimento expectativas', afirmou. 'Este, porém, foi uma agradável surpresa: começa logo com o bife. A primeira cena é uma cena de rapto, que desde logo me cativou.'

Elogiando a capacidade do escritor em alternar a acção com a apresentação detalhada das personagens, Rodrigues dos Santos disse ainda que uma das mais-valias do livro é não usar os valores do nosso tempo para uma época que não é a nossa. 'Não sei se a pesquisa está bem feita, mas é credível.'

OUTROS CASOS

MOITA FLORES

O ex-inspector da Polícia Judiciária já era escritor e argumentista muito antes de conquistar a Câmara Municipal de Santarém e continua a conciliar essas actividades. No ano passado, lançou o romance ‘A Fúria das Vinhas’ (Casa das Letras), passado na região vinícola do Douro no final do século XIX.

MODESTO NAVARRO

O fundador da Associação Portuguesa de Escritores presidiu, entre 2003 e 2005, à Assembleia Municipal de Lisboa, publicando nesse período ‘A Insubmissa’ (Sete Caminhos). Também José Saramago chegou a ser eleito presidente do mesmo órgão em 1989, no âmbito da coligação de esquerda liderada pelo socialista João Soares.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)