Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Sámkhya: a Teoria do Yôga Antigo

Como vimos no artigo “Entender os Quatro troncos do Yôga”, o Yôga Antigo, o SwáSthya, acenta não só no filosofia comportamental que é o Tantra – tema tratado o mês passado – como no Sámkhya, a filosofia teórica, onde o Yôga – filosofia prática de Vida – se apoia sempre que precisa de alguma teoria. É este o tema que iremos explorar ao longo do mês.
7 de Novembro de 2005 às 00:00
Sámkhya é uma filosofia especulativa naturalista e significa número, tendo significados tão variados como análise, busca, enumeração, entre outros
Sámkhya é uma filosofia especulativa naturalista e significa número, tendo significados tão variados como análise, busca, enumeração, entre outros
Literalmente, Sámkhya quer dizer número, tendo diversos significados como: enumeração, busca, análise, cálculo, acto de examinar, discriminação e investigação das categorias da existência.
As duas características principais desse sistema são a ordem de classificação dos seus vinte e quatro princípios – tattwas – e a dissociação, ou discriminação, entre Púrusha – Homem – e a Prakriti – Natureza. Em resumo, o Sámkhya é classificado como uma filosofia naturalista, já que toda a sua estrutura fundamenta-se nas leis da Natureza.
Esta filosofia pode ser sintetizada como uma tentativa do homem em compreender a sua existência, explicando-a segundo leis naturais; e na dissociação entre algo que é mutável e aquilo que permanece imutável em todos os seres e por trás de todos os processos da Natureza.
De acordo com as fontes hindus, o Sámkhya foi sistematizado pela primeira vez por Kapila, personagem tradicionalmente muito conhecido, porém historicamente contraditório. Nas escrituras que o citam ele é identificado com o nome de Hiranyagarbha, um dos nomes de Brahma, ou como sendo uma personificação de Vishnu, ou ainda, de acordo com outras fontes, como sendo o próprio Shiva, o criador do Yôga.
A obra mais antiga sobre o Sámkhya é um livro chamado ”Sasti Tantra”, classificado como o ensinamento dos seis tópicos, ou ainda, como o livro das sessenta frases. Mas tais registos foram perdidos no tempo e, hoje, não passam de mitos. Este é o Sámkhya Pré-Clássico.
Um dos livros mais famosos é o “Sámkhya Kariká”, de Íshwarakrishna, que significa literalmente estrofes do discernimento. A maioria dos pesquisadores concorda que a sua redacção remonta ao século II d.C. Nos sútras finais dessa obra está registado que Kapila revelou o conhecimento e este, através de tradição oral, acabou por chegar a Íshwarakrishna, que o codificou neste livro. Como no caso do Yôga Clássico – codificado por Pátañjali – esta codificação tornou-se um dos trabalhos mais importantes e o mais aceite, a partir do qual o Sámkhya foi elevado à categoria de darshana – ponto de vista – do hinduísmo. Eis, assim, o Sámkhya Clássico.
Tal filosofia teve uma grande força até à época de Shankaracharya – 788/820 d.C. A partir de então, sobreviveu em constante declínio, até que no século XV experimentou um renascimento quando foi composta a escritura de base para classificar o Sámkhya como Moderno. Esse escrito dá pelo nome de Sámkhya Pravachana Sútra.
Daqui por diante, o Sámkhya passou a coexistir com ideias teístas, já que o Vêdánta, difundido alguns séculos antes por Shankaracharya, já se encontrava bastante arraigado na sociedade hindu.
Segundo o Mahabhárata – épico que conta a história da Índia – há três variantes de Sámkhya. a primeira, mais antiga, tem vinte e quatro princípcios, a outra, vinte e cinco, e a terceira, vinte e seis. Esta última categoria, inclui Púrusha e Íshwara – que significa Senhor; de acordo com o filósofo Mircea Éliade é o arquétipo do yôgi –; a variante anterior exclui Íshwara e, a outra, que é mais antiga, não menciona esses dois princípios. As categorias de 24 ou 25 princípios são denominadas de Niríshwarasámkhya – sem Senhor –, enquanto a mais moderna, de 26 princípios, é designada por Sêshwarasámkhya – com Senhor.
Para a semana continuaremos a conhecer um pouco mais esta fantástica filosofia, à qual se atribui hoje estar na origem do raciocínio matemático.
Com base no livro “Yôga, Sámkhya e Tantra”, Mestre Sérgio Santos, Presidente da Federação de Yôga do Estado de Minas Gerais, Director Geral da Unidade Savassi, em Belo Horizonte
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)