Leão soube merecer sorte

Parecia mais uma daquelas noites. O Sporting entrou muito mal, ofereceu 45 minutos. Depois regressou melhor do intervalo, criou duas oportunidades e de repente permitiu que o Marítimo marcasse, de cabeça, num livre lateral.
17.12.07
  • partilhe
  • 0
  • +
Um filme outras vezes visto. A cerca de meia hora do final do jogo, o Sporting era sétimo no campeonato, atrás de equipas como Vitória de Guimarães, Vitória de Setúbal e Sp. Braga e a par do adversário daquele instante, o Marítimo. Que, diga-se já, nada fizera para estar com vantagem no marcador.
Foi por essa altura que a sorte sorriu ao Sporting. Um cruzamento da direita encontrou Vukcevic (tinha jogado pouco até ali, era um dos candidatos a sair…). O montenegrino cabeceou, mas a bola ia tranquila a caminho de Marcos quando descobriu Ediglê. Mudou de direcção e entrou na baliza.
Para o Marítimo quase nada mudou. De facto, o conjunto de Lazaroni empenhou-se pouco, era manifesto exagero estar na frente. Apenas Kanu agitava o futebol da equipa, feito de muitos passes mas escassas ideias. Notava-se imenso a ausência de Makukula.
Do outro lado, o Sporting tentou justificar a sorte. Até ali poucas vezes conseguira praticar um futebol intenso. Mas o golo do empate alterou a cara do jogo. Como se de repente os jogadores pensassem algo do género “afinal a felicidade também existe para nós”. Paulo Bento arriscou. Retirou Ronny, Miguel Veloso passou para lateral esquerdo. Pereirinha foi chamado. Romagnoli já lá estava.
O Marítimo sentia demasiado o empate e a perda de um central. A defesa oscilava. O meio-campo não existia. A dois minutos do fim, Moissoró perdeu uma bola na lateral. Ninguém levou a sério o descuido. Outra vez da direita, saiu novo cruzamento. Liedson ganhou de cabeça, Vukcevic dominou muito bem, deu um passo em frente e rematou forte, rasteiro. Excelente golo! Paulo Bento levantou-se, dirigiu-se a Gladstone e acabou com o jogo.
O Sporting jogara mal, estivera a perder, mas soubera reagir e a escassos minutos do fim era terceiro na Liga, a dois pontos do segundo. Com sorte? Sim, sem dúvida. Mas mereceu-a.
POSITIVO: KANU, APESAR DE TUDO
O avançado do Marítimo foi o único jogador que pareceu empenhado em criar desequilíbrios. Sacou um cartão amarelo a Abel, de onde saiu o livre para o golo. Foi pouco? Sim, mas um bocadinho mais que todos os outros.
NEGATIVO: FALTOU LIEDSON
O avançado esteve em dúvida até ao início do jogo. Recuperou, foi titular, mas a julgar pelo que não conseguiu fazer, provavelmente não estava a cem por cento. Foi um dos mais fracos da equipa. Sem total disponibilidade física, Liedson torna-se um ponta-de-lança sem poder de fogo.
ARBITRAGEM: BOM TRABALHO
O árbitro Jorge Sousa dirigiu o jogo sem dificuldades. Bem no capítulo disciplinar, teve a sorte de a bola andar longe das áreas. Já os auxiliares cometeram alguns erros, quase sempre em prejuízo do Marítimo.
BENTO ELOGIA CARÁCTER E PERSONALIDADE
“Foi uma vitória importante e justa fruto do nosso carácter e personalidade”, classificou Paulo Bento, após o terceiro triunfo consecutivo dos leões (antes, ao Louletano e ao Kiev), reforçando: “A nossa capacidade mental foi determinante após estar a perder.” O treinador espera que os três pontos conquistados na Madeira desanuviem o ambiente que se vive em Alvalade, nomeadamente na tensão com a claque Juve Leo, que não esteve presente nos Barreiros. “Esperemos que este resultado e pela forma como o alcançámos, crie um ambiente diferente e melhor em Alvalade”, desejou.
Ainda sobre o jogo do Funchal, Bento tirou mais conclusões positivas. “Dependemos só de nós para chegar ao segundo lugar e retomamos o nosso caminho na Liga, após três jogos para a Liga sem ganhar” (Sp. Braga, Leixões e U. Leiria), referindo que o êxito de ontem “dá mais confiança”.
FICHA DO JOGO
Local: Estádio dos Barreiros, no Funchal (6.500 espectadores)
Árbitro: Jorge Sousa (Porto)
MARÍTIMO: Marcos, Ricardo Esteves, Ediglê, Van der Linden (Fernando, 68m), Evaldo, Bruno, Wênio, Márcio Mossoró, Fábio Felício, Kanu (Gregory, 90m) e Bruno Fogaça (Marcinho, 83m). Treinador: Sebastião Lazaroni.
SPORTING: Rui Patrício, Abel, Tonel, Polga, Ronny (Pereirinha, 72m), Miguel Veloso, João Moutinho, Adrien (Romagnoli, 58m), Vukcevic, Liedson e Purovic (Gladstone, 89m). Treinador: Paulo Bento.
Marcador: 1-0, Fogaça (60m); 1-1, Ediglê (71m, pb); 1-2, Vukcevic (88m)
Acção disciplinar: Cartões amarelos – Kanu (32m), Polga (32m), Adrien (51m), Abel (59m), Ediglê (76m), Vukcevic (86m), Gladstone (90 1m), Mossoró (90 1m), Marcinho (90 1m), Fernando (90 2m) e Fábio Felício (90 4m)
Melhor jogador: Vukcevic

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!