Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
6

FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019

Estrutura sindical reiterou também que o salário mínimo para 2019 deverá ser 615 euros.
4 de Setembro de 2018 às 18:54
FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019
FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019
FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019
FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019
FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019
FESAP quer aumento salarial de 3,5% e seis euros de subsídio de refeição para 2019
A Federação Sindical da Administração Pública (FESAP) quer um aumento de 3,5% em todos os salários e pensões para 2019, bem como que o subsídio de refeição seja atualizado para seis euros sem qualquer taxação, foi esta terça-feira anunciado.

"A FESAP apresentou uma proposta com 3,5% de aumentos salariais para 2019 e seis euros de subsídio de refeição [sem taxação em sede de IRS ou Segurança Social]. Não aceitamos mais congelamentos dos salários na administração pública. Queremos aumentos concretos, sejam eles em percentagem, sejam eles de natureza nominal", disse esta terça-feira o secretário-geral da FESAP, José Abraão, numa conferência de imprensa em Lisboa.

A estrutura sindical reiterou também que o salário mínimo para 2019 deverá ser 615 euros, acompanhado pela revisão da tabela remuneratória única.

"Esperamos que o Governo nos apresente uma proposta concreta. Estamos completamente disponíveis para fazer essa negociação, sinalizando a travagem da degradação dos salários e contribuindo para a valorização dos trabalhadores da administração pública", sublinhou.

A FESAP desafiou também o Governo a fazer acordos de atualização salarial plurianuais, bem como a estabilizar a administração pública e a atrair os melhores profissionais.

A par disto, a FESAP defendeu a conclusão dos processos de revisão de carreiras inalteradas, subsistentes e não revistas.

No que se refere ao descongelamento de carreiras, a federação vincou que vai levar ao Governo "uma exigência clara", uma vez que não aceita que tenha ocorrido descongelamento em 1 de janeiro e ainda hoje "haja trabalhadores que ainda não receberam" a primeira tranche de pagamentos.

De acordo com a estrutura não faz sentido a existência de vários vínculos na relação de trabalho nos vários níveis da administração pública, como a exigência de contratos individuais de trabalho que introduzem o tratamento "desigual" dos trabalhadores, nem o recurso a formas de contratação precárias.

Adicionalmente, a FESAP quer a retoma do direito a 25 dias úteis de férias para todos os trabalhadores da administração pública e que todos os funcionários com 40 anos de descontos e 60 de idade possam aposentar-se sem penalizações.

"Consideramos não ser necessário ir para além dos 70 anos na aposentação obrigatória dos trabalhadores. O que temos serve. Não queremos que este limite seja alterado para tornar vitalícios alguns cargos", referiu o secretário-geral da FESAP.

No âmbito da ADSE, a estrutura diz continuar a verificar a "excessiva" tutela dos Ministérios das Finanças e da Saúde sobre as contribuições dos beneficiários, defendendo a retoma da repartição das contribuições entre beneficiários, Estado e entidades públicas.

A FESAP considerou também necessário proceder ao desagravamento da carga fiscal dos trabalhadores e exigiu, da mesma forma, uma política fiscal que incentive a prestação de cuidados a idosos.

Por último, a federação ressalvou que a formação profissional e a valorização das qualificações dos trabalhadores constituem um desafio para uma administração pública eficiente, bem como que a ação social complementar deve assumir um papel de maior relevo na vida dos trabalhadores.

José Abraão garantiu porém que se as propostas da FESAP "não merecerem acolhimento" pelo Governo, a "luta e a greve [são] a última arma" a utilizar.

"Utilizaremos sempre que encontrarmos dificuldades neste caminho em passar do discurso à prática, mais do que encontrar caminhos alternativos para dizerem que continuam a melhorar os nossos rendimentos", concluiu.

Esta quarta-feira, os sindicatos representativos dos trabalhadores da função pública vão reunir-se com a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca, para iniciar conversações no âmbito do debate do Orçamento do Estado para 2019.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)