Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

CDS defende que valor do défice é "particularmente preocupante"

Partido sublinha o aumento dos pagamentos em atraso.
Lusa 25 de Agosto de 2016 às 18:40
Cecília Meireles
Cecília Meireles FOTO: Pedro Catarino

A vice-presidente do CDS-PP Cecília Meireles defendeu que o valor do défice hoje divulgado é "particularmente preocupante", sublinhando igualmente o aumento dos impostos indiretos e os pagamentos em atraso expressos na síntese de execução orçamental.

"Em primeiro lugar, salientava como muito preocupante o valor do próprio défice porque passou, em valores acumulados, em junho, de 2800 milhões, para, em julho, quase 4900 milhões de euros. Estamos a falar de um aumento substancial apenas num mês e isto significa também que a diferença em relação ao défice do ano passado diminuiu bastante, o que é particularmente preocupante quando sabemos que o objetivo do défice é chegar aos 2,2%", afirmou Cecília Meireles à Lusa.

Segundo a Direção-Geral do Orçamento (DGO), o défice orçamental, registado em contas públicas, atingiu os 4.980,6 milhões de euros até julho, uma melhoria de 542,8 milhões de euros face ao mesmo período do ano passado.

A evolução do défice das administrações públicas entre janeiro e julho "resultou de um crescimento da receita (2,8%) superior ao da despesa (1,3%)", de acordo com a síntese de execução orçamental, que indicou também que o comportamento da receita "reflete principalmente o aumento da receita fiscal e contributiva".

"Mesmo estes valores são conseguidos à custa da fiscalidade e sobretudo da fiscalidade 'à la esquerda', que é acentuar os impostos sobre a classe média e as empresas. Aquilo que está a suportar o crescimento da receita fiscal são os impostos indiretos e é sobretudo o imposto sobre os produtos petrolíferos", argumentou Cecília Meireles.

A dirigente e deputada centrista sublinhou que "os outros impostos não estão a evoluir favoravelmente, sobretudo os que têm a ver com o crescimento económico, o IRC e o IVA".

"Estes valores continuam também a demonstrar que a despesa está muito longe de estar controlada, diria que, quanto muito, está disfarçada. Quer os valores dos passivos não financeiros, quer, sobretudo, os pagamentos em atraso, que têm vindo a aumentar paulatinamente desde o princípio do ano, mantêm-se praticamente inalterados", sustentou.

CDS-PP Cecília Meireles défice orçamental economia negócios e finanças orçamento do estado e impostos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)