Barra Cofina

Correio da Manhã

Insólitos
7

Mãe usa colchão especial para preservar o corpo da filha após a sua morte

"Parecia que ela estava a dormir", disse a progenitora de luto.
24 de Maio de 2018 às 12:31
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Stephanie Nimmo e Daisy
Uma mulher, Stephanie Nimmo, de 49 anos, decidiu preservar o corpo da filha de 12 anos, Daisy, uma semana após a morte da menina. 

A mãe de Daisy manteve o corpo num colchão especial, vestiu-lhe o vestido da Disney favorito e colocou-lhe flores no cabelo. A juntar a este cenário, Stephanie ligou ainda luzes "de fada" à volta da cama da menina e pôs a tocar a música favorita como plano de fundo. 

Os pais alegaram que a filha parecia "estar a dormir" e que estava relaxada, como se estivesse a dormir em paz, de acordo com o jornal britânico Mirror.

Daisy morreu em 2017 com uma condição rara chamada síndrome de Costello, que afeta menos de 300 crianças em todo o mundo. Esta é uma doença causada por uma mutação de um gene causador de cancro, o que significa que houve um aumento de 17% de risco de desenvolver um tumor, problemas cardíacos e ósseos para a menina. 

Os médicos já previam uma morte precoce. Mesmo assim, a jovem de 12 anos aguentou mais tempo do que era expectável. Depois de dar o último suspiro, Daisy foi levada para casa em Wimbledon, Inglaterra, e colocada num colchão frio especial para a poder conservar durante uma semana. 

"Quando a Daisy chegou a casa, estava de camisola, colocámos o edredão por cima dela e os brinquedos à volta", conta Stephanie.

A mãe da criança afirma que esta foi a forma que arranjaram para fazer o luto da menina e vê-la assim, "em paz, foi crucial para o processo de luto". 

"Eu toquei a música dela, a banda sonora do Frozen, e tínhamos algumas velas acesas. Os meus filhos e eu simplesmente entrámos e saíamos do quarto dela. Era como se ela estivesse a dormir. Mas eu continuei à espera que ela acordasse e dissesse 'vai embora!', revelou a mãe da menina. 

Stephanie percebe que muitos são aqueles que olham com estranheza para a forma como a família fez o luto da menina. "Parecia a coisa mais natural do mundo. Senti que a tinha recuperado. Trouxe-a para longe de uma morte traumática e de um ambiente médico e ela era apenas a minha menina enfiada na cama", disse. 

E que colchão especial é este? 

O hospício onde a pequena Daisy faleceu tinha este tipo de colchões - presente em poucas casas do género - e um deles foi dado a esta família para que se pudessem despedir da criança. 

"É um colchão revestido de plástico azul, com fluido refrigerante e preso a um tubo. Ele age como uma câmara frigorífica acolchoada. Fiquei surpreendida com a pouca informação sobre estes colchões frios. Se Daisy estivesse num hospício diferente, não poderíamos levá-la para casa depois da sua morte", explicou Stephanie. 

A família de Daisy afirma que este procedimento acontece com outras pessoas, mas é raro. Se para uns, uma noite é suficiente para fazer o luto, para o caso desta família foi necessária uma semana. 

Stephanie e Xanthe revelam que ficaram com memórias mais felizes da menina e que se tornou mais fácil por ver Daisy "em paz". 


Costello Stephanie Nimmo Daisy Xanthe Disney Wimbledon Inglaterra Frozen morte crianças
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)