Barra Cofina

Correio da Manhã

Insólitos

Robô sexual abusado por grupo de homens pela segunda vez

Na primeira aparição pública, o criador de Samatha queixou-se que a boneca voltou a ser apertada nos seios violentamente.
16 de Outubro de 2017 às 18:14
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
Samantha na primeira aparição pública
O engenheiro Sergi Santos conseguiu amealhar mais de 2500 euros na primeira aparição pública do robô sexual, num centro comercial em Barcelona, em Espanha. Mas o criador de Samantha não saiu totalmente satisfeito, depois de uma multidão de homens ter deformado a boneca, ao apertar violentamente os seios.

Segundo o Daily Star, o criador de Samantha disse que estava a fazer uma demonstração, explicando às pessoas como é que a boneca poderia ser integrada socialmente, incluindo a nível familiar, com animais e em situações românticas como no sexo.

A boneca inteligente tem dez sensores espalhados pelo corpo e reage ao toque. Segundo os criadores, Samantha pode ainda ter orgasmos se tiver de "bom humor".

Samantha foi programada para responder às perguntas dos seres humanos, mas os criadores dizem que o robô é resultado do desenvolvimento da inteligência artificial e, por isso, não deve ser confundido como um boneco sexual.

O cientista espanhol Sergi Santos lamenta os incidentes e relembra o primeiro incidente em que a boneca "ficou com os dedos partidos e estava toda suja" numa feira de tecnologia na Áustria. "Trataram a boneca como bárbaros", contou o criador ao jornal britânico.

No dia seguinte ao incidente, o criador de Samantha conseguiu corrigir os seios da boneca, mas criticou a "agressividade extrema" na forma como as pessoas trataram o robô.

De acordo com o jornal Metro, vários estudos revelaram que até metade dos homens consideraria ter relações sexuais com um robô.

David Levy, autor do livro "Love and Sex with Robots" garante que os robôs vão ter órgão genitais como os seres humanos e vão permitir ter relações sexuais segundo os gostos dos próprios donos.