Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

Bolsonaro admite prisão de jornalista que divulgou escândalo "Vaza Jato"

Presidente do Brasil negou a intenção de deportar Glenn Greenwald.
Lusa 28 de Julho de 2019 às 10:42
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro

O presidente do Brasil negou, este sábado, a intenção de deportar o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, coautor de reportagens que colocaram em causa a imparcialidade da Operação Lava Jato, mas admitiu que possa ser preso no país.

Greenwald, jornalista a quem o ex-analista norte-americano Edward Snowden revelou os programas de espionagem da Agência de Segurança Nacional norte-americana, é fundador e editor do portal de jornalismo de investigação The Intercept.

Recentemente, Greenwald e outros jornalistas têm vindo a revelar informações de um novo escândalo que ficou conhecido como "Vaza Jato", que está a colocar em causa a imparcialidade da Lava Jato, a maior operação contra a corrupção já realizada no Brasil.

Durante uma entrevista dada este sábado aos jornalistas, no Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro foi questionado sobre a possibilidade de Greenwald vir a ser deportado ao abrigo de uma portaria assinada pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, que permite a deportação sumária ou impedimento de ingresso de estrangeiros no Brasil, considerados "perigosos".

"Malandro para evitar um problema desse tipo [deportação] casa-se com outro malandro ou adota uma criança no Brasil. Ele [Greenwald] não vai ser, pode estar tranquilo. Talvez seja preso aqui, mas não lá fora", declarou o chefe de estado brasileiro, citado pela agência Efe.

Jair Bolsonaro aludia ao facto de Glenn Greenwald ser casado com o deputado federal David Miranda, com quem tem dois filhos adotivos.

Entretanto, estas declarações de Jair Bolsonaro já foram condenadas pela oposição e por associações de jornalistas, que as classificaram de "graves agressões à liberdade de expressão".

Glenn Greenwald também já reagiu e afirmou que Bolsonaro "não tem poder para ordenar a prisão de ninguém".

As reportagens do The Intercept sobre a Lava Jato começaram em 09 de junho e desde então têm mobilizado a opinião pública no Brasil.

Baseadas em informações obtidas de fonte anónima, estas reportagens apontam que o ex-juiz e atual ministro da Justiça do país, Sérgio Moro, terá orientado os procuradores da Lava Jato, indicado linhas de investigação, cobrado manifestações públicas e adiantado decisões enquanto era juiz responsável por analisar os processos do caso em primeira instância.

Se confirmadas, as denúncias indicam uma atuação ilegal do antigo magistrado e dos procuradores brasileiros porque, segundo a legislação do país, os juízes devem manter a isenção e, portanto, estão proibidos de auxiliar as partes envolvidas nos processos.

Moro e os procuradores da Lava Jato, por seu turno, negam terem cometido irregularidades e fazem críticas às reportagens do The Intercept e seus parceiros (Folha de S. Paulo, revista Veja, El País e o jornalista Reinaldo Azevedo), afirmando que são sensacionalistas e usam conversas que podem ter sido adulteradas e foram obtidas através de crime cibernético.

Jair Bolsonaro Vaza Jato Glenn Greenwald Sérgio Moro Brasil The Intercept Lava Jato
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)