Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
2

China acusa Estados Unidos de reprimir as suas empresas

Acusação acontece após Joe Biden ter alargado lista de entidades chinesas nas quais os norte-americanos estão proibidos de investir.
Lusa 4 de Junho de 2021 às 10:28
Joe Biden
Joe Biden FOTO: Reuters
A China acusou esta sexta-feira os Estados Unidos de reprimir as suas empresas, após o Presidente Joe Biden ter alargado a lista de entidades chinesas nas quais os cidadãos norte-americanos estão proibidos de investir.

"A China vai tomar as medidas necessárias para defender resolutamente os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

Biden seguiu a política do antecessor, Donald Trump, ao alargar, na quinta-feira, de 31 para 59, uma lista negra de empresas chinesas acusadas de terem vínculos ao exército chinês.

As firmas passam a não poder beneficiar de investimento norte-americano.

Joe Biden alterou o decreto do seu antecessor, emitido em novembro passado, para incluir empresas envolvidas no fabrico e implementação de tecnologia de vigilância, que pode ser usada não apenas na China contra a minoria uigur muçulmana e dissidentes, mas também em todo o mundo.

Questionado sobre essas medidas, o porta-voz chinês disse que "violam as leis do mercado" e "prejudicam não apenas os direitos e interesses legítimos das empresas chinesas, mas também os interesses de investidores em todo o mundo, incluindo investidores norte-americanos".

Washington disse que a sua lista também tem como alvo empresas que usam "tecnologias de vigilância chinesas fora da China, bem como o seu desenvolvimento ou uso para facilitar a repressão ou graves violações dos direitos humanos".

Os norte-americanos - pessoas físicas ou jurídicas - com participações e outros interesses financeiros nessas empresas têm até 02 de agosto para vender as suas posições.

A lista inclui os principais grupos de construção, telecomunicações e tecnologia, como a fabricante de telefones Huawei, a gigante do petróleo CNOOC, a China Railway Construction, a China Mobile, a China Telecom ou a empresa de videovigilância Hikvision.

Ver comentários