Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Há mais duas vacinas chinesas anti Covid com eficácia de 65% e 72%

Ambas foram elaboradas com o método tradicional de vírus desativados.
Lusa 8 de Abril de 2021 às 08:03
Sinopharm
Sinopharm FOTO: Getty Images
Duas farmacêuticas chinesas, a estatal Sinopharm e a privada CanSino, anunciaram hoje a conclusão do desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, que apresentam eficácia de 72% e 65%, respetivamente.

O Instituto de Wuhan de Produtos Biológicos, subsidiária da Sinopharm, anunciou hoje que já submeteu à Administração Nacional de Produtos Médicos chinesa o pedido de aprovação da sua nova vacina, com uma eficácia de 72.51% contra o novo coronavírus.

A China desenvolveu e está a usar na sua campanha de vacinação interna duas vacinas contra a covid-19, através da Sinopharm em Pequim e da Sinovac, cuja vacina CoronaVac está a ser utilizada internamente e em países como o Brasil.

Os resultados da CoronaVac em ensaios clínicos no estrangeiro foram díspares, atingindo os 91% de eficácia na Turquia, mas apenas 50,6% num estudo de maiores dimensões no Brasil.

Ambas as vacinas Sinopharm foram elaboradas com o método tradicional de vírus desativados, e não com a nova biotecnologia utilizada por empresas como a Pfizer e Moderna, que alcançaram eficácia superior a 90%.

Também hoje, a CanSino anunciou que as autoridades chinesas já estão a avaliar a sua nova vacina, que em ensaios clínicos demonstrou uma eficácia de 65.28%, com uma só dose, utilizando uma tecnologia semelhante às da AstraZeneca e Johnson & Johnson.

Desenvolvida em colaboração com a Academia de Ciências Médicas Militares, instituto dirigido pelo Exército de Libertação do Povo chinês, a vacina da CanSino já foi aprovada para uso de emergência no estrangeiro, nomeadamente no México e Paquistão.

A transparência do desenvolvimento de vacinas pela China tem sido questionada noutros países, nomeadamente na França, onde o presidente Emmanuel Macron disse este mês não haver "absolutamente nenhuma informação" sobre os imunizantes, que não são tão fiáveis como os ocidentais.

Não obstante, alguns países da União Europeia têm considerado comprar vacinas chinesas, dada a incapacidade de fabricantes europeus ou norte-americanos suprirem as necessidades, e a Hungria tornou-se hoje no primeiro Estado-membro a imunizar os seus cidadãos com a vacina do laboratório Sinopharm.

"Hoje, estamos a começar a vacinação com lotes chineses [da vacina do laboratório Sinopharm]", disse o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, numa breve mensagem publicada na rede social Facebook.

As primeiras 550.000 doses chegaram da China em meados de fevereiro, num total de cinco milhões, o suficiente para vacinar um quarto da população de 9,8 milhões.

A China espera aumentar a produção das suas vacinas para 2.000 milhões de doses este ano, e 4.000 milhões até 2022, um plano ambicioso que visa converter o país no maior fornecedor das nações em desenvolvimento.

Citado pela imprensa local, o presidente da Associação da Indústria das Vacinas da China, Feng Duojia, estimou que os 4.000 milhões de doses vão cobrir até 40% da procura global.

A China já distribuiu doses das suas vacinas em 22 países em desenvolvimento e prestou assistência a 53, número que continuará a crescer, à medida que Pequim fechar mais acordos com países africanos, segundo dados do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de França, Jean-Yves Le Drian, disse na semana passada que a China lançou uma "diplomacia de vacinas", para aumentar a sua influência, especialmente nos países africanos, e alertou que "tirar fotos de vacinas em aeroportos não significa ter uma política de vacinação".

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, destacou que a pandemia se tornou um "momento geopolítico" em que alguns países estão a distribuir doses com objetivos políticos, o que pode ter "enormes consequências para o nosso futuro".

 

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Covid CanSino Pequim China Sinopharm saúde questões sociais governo (sistema) medicina preventiva tratamentos
Ver comentários