Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Harvey 'despejou' sobre o Estado do Texas 41 mil milhões de litros de água

Em certos locais da costa texana, entre sábado e quarta-feira, a precipitação quase que atingiu os 132 centímetros.
Lusa 31 de Agosto de 2017 às 00:10
Furacão Harvey
Furacão Harvey
Trump visitou zonas afetadas pelas inundações no Texas e garantiu apoio
Danos causados pelo furacão Harvey
Furacão Harvey
Furacão Harvey
Trump visitou zonas afetadas pelas inundações no Texas e garantiu apoio
Danos causados pelo furacão Harvey
Furacão Harvey
Furacão Harvey
Trump visitou zonas afetadas pelas inundações no Texas e garantiu apoio
Danos causados pelo furacão Harvey
A tempestade que se abateu sobre o Estado do Texas, designada Harvey, e se prolongou para o vizinho Luisiana, provocou a precipitação de 41 mil milhões de litros sobre aquele Estado.

Em certos locais da costa texana, entre sábado e quarta-feira, a precipitação quase que atingiu os 132 centímetros, segundo o Serviço Meteorológico Nacional.

O recorde está em 131,7 centímetros no canal marítimo Cedar Bayou, que passa a constituir a precipitação máxima no território continental dos EUA durante um furacão.

Este valor exclui as precipitações ocorridas na Luisiana, onde o Harvey chegou na quarta-feira.

Esta tempestade, por outro lado, provocou, direta ou indiretamente, 33 mortes, segundo o último balanço fornecido e pelas autoridades norte-americanas.

A morte de 10 pessoas foi confirmada em vários condados no sudeste do Texas, enquanto 23 outras mortes "estão potencialmente ligadas ao Harvey", anunciou Tricia Bentley, porta-voz do serviço dos médicos legistas de Harris, o condado onde está a cidade de Houston, particularmente afetada pela tempestade e pelas suas chuvas devastadoras.

Este balanço permanece baixo, quando comparado com o do furacão Katrina, que provocou 1.800 mortos entre a população de Nova Orleães, vítima da subida brutal nas águas do mar e da rutura dos diques.

Mas os responsáveis texanos receiam que o balanço se agrave à medida que a água recue e o acesso às zonas mais inundadas seja facilitado.

Na prestação de socorro, a agência federal de situações de emergência (FEMA, na sigla em Inglês) instalou 230 centros de acolhimento temporários, com capacidade de receber até 30 mil pessoas.

A FEMA adiantou que, com referência a quarta-feira, existiam 1.800 pessoas instaladas em hotéis.

A Cruz Vermelha dos EUA indicou que mais de 32 mil pessoas tinham dormido nos seus refúgios ou em instituições com quem têm parcerias.

O chefe da polícia de Houston, Art Acevedo, informou, na terça-feira, que os seus agentes tinham socorrido mais de 3.500 pessoas.

O diretor da FEMA, Brock Long, admitiu que as pessoas com necessidade de assistência pudessem atingir as 450 mil.

Ainda segundo a FEMA, até à manhã de quarta-feira existiam 195 mil pessoas registadas para beneficiarem de uma ajuda financeira de urgência.

A este título, a agência já tinha concedido 35 milhões de dólares (29 milhões de euros).

Especialistas ouvidos pela Bloomberg estimam que os prejuízos materiais se situem entre os 30 mil milhões e os 100 mil milhões de dólares.

Na sua maioria, estes estragos não estão cobertos pelo seguro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)