Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Investigadores dos EUA confirmam parte do dossier Trump-Rússia

Documentação foi recolhida por um ex-espião britânico.
11 de Fevereiro de 2017 às 00:07
Donald Trump
Donald Trump FOTO: Reuters
Investigadores dos EUA confirmaram pela primeira vez alguma informação constante do 'dossier' compilado por um ex-espião britânico sobre Donald Trump, disseram à CNN vários membros dos serviços de informações, bem como atuais e antigos agentes policiais.

O documento, com 35 páginas, contém alegadamente informação, não confirmada, sobre uma coordenação estreita entre o círculo próximo de Trump e os dirigentes russos e práticas sexuais de Trump.

A cadeira televisiva por cabo norte-americana está a noticiar que estas confirmações, baseadas em comunicações intercetadas, "deram aos serviços de informações e às agências policiais 'maior confiança' na credibilidade de alguns aspetos do 'dossier'".

A CNN adiantou que nenhuma da informação agora confirmada se relaciona com os aspetos sexuais.

Em 11 de janeiro, a CNN noticiou que os chefes dos serviços de Informações apresentaram ao Presidente norte-americano cessante, Barack Obama, e ao eleito, Donald Trump, material alegadamente comprometedor para o último, que estaria na posse do Governo russo.

Este material, sintetizado em duas páginas, foi apresentado a Trump durante uma reunião que juntou o diretor das Informações Nacionais (DNI, na sigla em inglês), James Clapper, da polícia federal (FBI), James Comey, e das agências Central de Informações (CIA), John Brennan, e da Segurança Nacional (NSA), Mike Rogers.

Pelo menos, parte da informação apurada foi obtida por um ex-agente do serviço de informações britânico MI6, que esteve colocado em Moscovo na década de 1990 e agora tem uma empresa, adiantou então a televisão de Atlanta. As suas investigações começaram por ser financiadas por apoiantes de opositores de Trump durante as primárias republicanas.

Christopher Steele, assim se chama o ex-espião britânico, com 52 anos, é visto como um operacional respeitado que não ajeita produtos para satisfazer clientes, segundo diplomatas e analistas das informações que o conhecem.

Na altura, Trump reagiu, em mensagem distribuída na rede social Twitter, criticando as "alegações falsas" e atribuindo a compilação aos seus adversários políticos e a um "espião falhado com medo de ser processado".

Por outro lado, em Moscovo, um porta-voz do presidente Vladimir Putin disse que o alegado autor do dossier com informação comprometedora sobre Trump "é desconhecido no Kremlin".

O seu porta-voz, Dmitry Peskov, também reiterou que as alegações eram falsas.
EUA Donald Trump relações Rússia James Clapper James Comey John Brennan espionagem política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)