Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
9

Irão violará limites do acordo nuclear em 10 dias

Teerão "quadruplicou" enriquecimento de urânio e está prestes a passar limite de 300 quilos estabelecido pelo acordo de 2015.
Ricardo Ramos 18 de Junho de 2019 às 11:19
Se o Irão produzir mais de 300 quilos de urânio enriquecido ficará em clara violação do acordo nuclear de 2015
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão
Se o Irão produzir mais de 300 quilos de urânio enriquecido ficará em clara violação do acordo nuclear de 2015
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão
Se o Irão produzir mais de 300 quilos de urânio enriquecido ficará em clara violação do acordo nuclear de 2015
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão
Bandeira do Irão
O Irão anunciou esta segunda-feira que deverá ultrapassar a quantidade máxima de urânio enriquecido permitido pelo acordo nuclear de 2015 "dentro de 10 dias", aumentando a pressão sobre a União Europeia para salvar o acordo e levando Washington a acusar o regime de Teerão de "chantagem nuclear".

Behrouz Kamalvandi, porta-voz da Organização de Energia Atómica do Irão, confirmou que os cientistas "quadruplicaram" nas últimas semanas o enriquecimento de urânio e deverão ultrapassar em 10 dias o limite de 300 quilos de urânio enriquecido permitido pelo acordo nuclear de 2015.

O responsável frisou que o processo de enriquecimento só será revertido "quando as outras partes cumprirem os seus compromissos", numa referência ao Reino Unido, França e Alemanha, que há um ano tentam manter vivo o acordo nuclear após a saída dos EUA.

Kamalvandi indicou ainda que Teerão poderá a qualquer momento reiniciar a produção de 'água pesada', usada na produção de plutónio, bastando para tal "trocar uns tubos" no complexo de Arak, desativado após a assinatura do acordo nuclear.

Reforçando a ameaça, o deputado Mojtaba Zolnour, presidente da comissão nuclear do Parlamento iraniano, admitiu também que o país poderá abandonar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear, levando os EUA a acusarem Teerão de "chantagem nuclear" e a apelarem ao reforço da pressão internacional.
Ver comentários