Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Operador do "Mensalão" acusa Lula da Silva de ter mandado matar aliado

Celso Daniel foi raptado à saída de um restaurante de luxo na capital paulista e encontrado morto a tiro e com sinais de tortura.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 25 de Outubro de 2019 às 17:28
Celso Daniel
Lula da Silva
Lula da Silva
Celso Daniel
Lula da Silva
Lula da Silva
Celso Daniel
Lula da Silva
Lula da Silva

Marcos Valério, condenado a 40 anos de cadeia por ter sido o operador do "Mensalão", primeiro grande escândalo de corrupção descoberto no governo do ex-presidente Lula da Silva, acusou em depoimento colaborativo o antigo chefe de Estado de ter mandado matar em 2002 um dos aliados mais próximos, Celso Daniel, autarca da cidade de Santo André, vizinha a São Paulo. A informação foi avançada esta sexta-feira pela revista brasileira Veja, que diz ter tido acesso exclusivo ao depoimento.

Segundo o antigo publicitário, que desviava milhões de dinheiro público através de contratos fictícios ou sobrevalorizados entre a Petrobrás e a sua agência de publicidade para um "saco azul" do Partido dos Trabalhadores, PT, vários assessores presidenciais chegaram a mandá-lo pagar 2,7 milhões de euros a um empresário de Santo André que em 2003, quando Lula da Silva já era presidente, estava a fazer chantagem e ameaçava responsabilizar o então chefe de Estado pela morte. Sempre de acordo com a reportagem publicada pela revista, Marcos Valério afirmou que recebeu a ordem para pagar o silêncio do empresário, Ronam Maria Pinto, numa reunião realizada num hotel de luxo em São Paulo onde estiveram presentes, além dele e de Ronan, o então tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e o chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho.

Celso Daniel, que além de presidente da Câmara de Santo André, uma cidade industrial na Grande São Paulo, era em 2002 o coordenador e tesoureiro da campanha de Lula da Silva à presidência. Foi raptado à saída de um restaurante de luxo na capital paulista e encontrado morto a tiro e com sinais de tortura numa estrada de terra na área rural de outra cidade, Juquitiba, quatro dias após o rapto. Vários suspeitos foram presos e condenados pelo crime, que foi registado como um assalto, mas desde o início foram fortes as suspeitas de que a morte do autarca tinha sido um crime político encomendado, e Lula, Gilberto Carvalho e o ex-ministro José Dirceu chegaram a ter os nomes associados àquela morte, mas nunca se conseguiram evidências claras dessa ligação.

Agora, Marcos Valério reforça a acusação, avançando que Celso Daniel, um homem público íntegro, foi morto por ter descoberto um esquema milionário de arrecadação de verbas destinadas tanto a um "saco azul" da campanha de Lula e do PT quanto para enriquecimento pessoal de líderes daquele partido. Celso Daniel terá sido executado a mando dos próprios aliados e amigos, após ameaçar denunciar o esquema e abalar a candidatura de Lula se as arrecadações ilícitas não cessassem.
Ver comentários