Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Queimadas proibidas para ajudar a conter os incêndios na Amazónia

Medida vigora por 60 dias e só não se aplica aos povos indígenas e em caso de pragas.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 30 de Agosto de 2019 às 08:40
Os incêndios na Amazónia aumentaram este ano e preocupam o Mundo
Imagem de fogos em Angola
Fogos na Amazónia
Os incêndios na Amazónia aumentaram este ano e preocupam o Mundo
Imagem de fogos em Angola
Fogos na Amazónia
Os incêndios na Amazónia aumentaram este ano e preocupam o Mundo
Imagem de fogos em Angola
Fogos na Amazónia
Numa nova medida para tentar conter os incêndios que devastam a Amazónia e outras regiões do Brasil, o governo do presidente Jair Bolsonaro proibiu esta quinta-feira a prática de queimadas em todo o país. A proibição, válida por 60 dias, só não se aplica aos povos indígenas e em casos em que seja uma medida necessária para controle de pragas.

Não é a prática de queimar a terra para a preparar um novo plantio que está na origem da devastação sem precedentes que a Amazónia sofre, mas a proibição pode ajudar a diminuir os focos de incêndio e a detetar fogos criminosos.

Na semana passada, ante o clamor mundial, Bolsonaro enviou as Forças Armadas para ajudarem a combater incêndios.

Entretanto, continua a novela da aceitação, ou não, pelo Brasil dos 20 milhões de dólares oferecidos pelos países do G7 e que já foi recusada, condicionada e aceite.

Desdizendo o seu porta-voz, Rego Barros, que havia anunciado que o Brasil aceitava a ajuda, Bolsonaro reiterou a sua posição original, de só aceitar se o presidente de França, Emmanuel Macron, com quem tem trocado acusações e ofensas, lhe pedir desculpas.

África arde mais do que a Amazónia
Dados de satélite revelados esta semana pela NASA indicam que a África Central está a arder mais do que a floresta amazónica.

Só em Angola e na República Democrática do Congo havia mais de 10 mil incêndios ativos, um número bastante superior aos 2127 fogos registados no mesmo período no Brasil. Peritos indicam, no entanto, que os fenómenos não são comparáveis, já que a maior parte dos incêndios africanos são queimadas controladas.
Ver comentários