Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Tudo o que se sabe sobre o ataque em Nice

Acompanhe as investigações da tragédia que matou 84 pessoas.
15 de Julho de 2016 às 09:09
Polícia forense continua a procurar pistas no local do ataque
Polícia forense continua a procurar pistas no local do ataque FOTO: Reuters

Uma multidão celebrava o Dia da Bastilha em Nice, França, quando a tragédia aconteceu. Um camião atropelou as largas centenas de pessoas que se concentravam no Promenade des Anglais, fazendo pelo menos 84 mortos e mais de 100 feridos.

O camião não parou de acelerar, atropelando as pessoas que tinham acabado de assistir ao fogo de artíficio, durante pelo menos dois quilómetros. O veículo estava cheio de granadas e de várias armas.

O autor do ataque era o único ocupante do camião: um franco-tunisino de 31 anos, já referenciado pela polícia francesa por pequenos delitos, mas que não era suspeito de ter ligações a grupos terroristas. O terrorista terá disparado sobre a multidão antes de acelerar.

17h16: O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) condenou veementemente o atentado em Nice (França) e pediu uma reflexão sobre as causas destas ações, sublinhando a necessidade de "políticas de promoção de paz". Em comunicado, "Os Verdes" expressam profundo pesar pelas vítimas, a sua solidariedade para com as famílias e para com o povo francês.

16h18: O Irão expressou a sua "profunda pena" pelo ataque terrorista na cidade francesa de Nice e insistiu na necessidade de uma maior cooperação internacional para combater o terrorismo.

Num comunicado, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Bahram Qamesí, condenou o atentado em nome das autoridades da república islâmica e insistiu que "tal como o Irão sempre disse, o terrorismo é uma fenómeno ameaçador que não pode ser eliminado sem cooperação internacional". "Qualquer negligência quando se lida com o terrorismo é deplorável e está condenado ao fracasso", acrescentou o diplomata.

16h07: O Conselho de Segurança das Nações Unidas cumpriu hoje um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do ataque na cidade francesa Nice, que, na quinta-feira à noite, fez pelo menos 84 mortos.

Antes de começarem uma reunião dedicada à situação no Iraque, os embaixadores dos 15 países-membros do Conselho de Segurança (cinco permanentes e dez rotativos) levantaram-se, inclinaram as cabeças em sinal de respeito e observaram um minuto de silêncio. 

16h05: A Cáritas Portuguesa manifestou choque e repugnância pelo atentado de Nice, França, e lembrou que milhares de refugiados fugiram precisamente da guerra e violência "destes terroristas".

A Cáritas apela a que se encontre uma solução política que ponha fim às guerras na Síria, no Iraque e na Líbia, nomeadamente, recordando palavras recentes do papa Francisco: "Todos devemos reconhecer que não existe uma solução militar para a Síria, mas somente uma solução política".

Manifestando solidariedade com a dor dos familiares e amigos das vítimas do atentado de Nice, a Cáritas aproveita para lembrar os refugiados que fugirem precisamente da guerra e da violência dos terroristas:

"A Cáritas lembra ainda os milhares de refugiados que se encontram a viver em condições terríveis em tantos países, sem expetativas de futuro, depois de terem fugido da guerra, da opressão e da violência destes terroristas, esperando que carnificinas deste tipo não endureçam os nossos corações".

16h04: O PCP manifestou-se consternado com o atentado com um camião que provocou mais de 80 mortos, quinta-feira, na cidade francesa de Nice, frisando que o terrorismo "serve sempre as estratégias e os interesses mais reacionários e sinistros".

"O PCP sublinha que o terrorismo - quaisquer que sejam as suas causas, formas e objetivos anunciados -, serve sempre as estratégias e os interesses mais reacionários e sinistros e é inseparável das políticas de exploração e opressão, e da lógica do militarismo e da guerra", lê-se.

O texto dos comunistas "alerta para a instrumentalização de naturais e genuínos sentimentos de indignação" e "imposição de medidas de cariz antidemocrático, atentatórias de direitos, liberdades e garantias fundamentais, assim como para a promoção de sentimentos racistas e xenófobos que têm alimentado o crescimento de forças de extrema-direita na Europa".

Para o PCP, "a resposta a atos terroristas, como o de Nice ou os recentemente cometidos no Iraque e na Síria, passa pelo combate às suas mais profundas causas - políticas, económicas e sociais - e pela defesa e afirmação dos valores da liberdade, da democracia, da soberania e independência dos Estados, de uma política de desanuviamento, de diálogo e de paz nas relações internacionais".

15h51: Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu uma "mensagem de amizade e coragem" a todos os portugueses que se encontram na cidade francesa de Nice, onde ocorreu um atentado na quinta-feira, destacando o cidadão ferido.

"O Presidente da República, estando a acompanhar com preocupação e solidariedade a situação da comunidade portuguesa em Nice envia uma mensagem de amizade e coragem para com todos os portugueses que se encontram naquela cidade neste momento de dor, especialmente ao cidadão de nacionalidade portuguesa que foi ferido na sequência do bárbaro ataque de ontem", refere uma mensagem publicada no site da Presidência da República.

Nesta segunda mensagem sobre o atentado de Nice (a primeira, uma mensagem de condolências ao presidente francês, foi colocada no site www.presidencia.pt na quinta-feira à noite), Marcelo dirige-se especialmente ao cidadão português que se sabe ter sido ferido neste ataque.

"Para ele e toda a sua família uma palavra de sentida comoção e o apoio, confiante na rápida recuperação da sua situação clínica", refere o chefe de Estado.

15h37: A ex-mulher do homem de origem tunisina responsável pelo atentado da noite de quinta-feira em Nice foi detida e vai ser interrogada pelos investigadores franceses, referiu a agência noticiosa France-Presse ao citar fonte policial.

Os investigadores procuram desvendar os motivos do autor do atentado, Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, 31 anos, ao interrogarem os mais próximos, mas também procuram saber se este homem, com residência em Nice (sul), teve a ajuda de um cúmplice. 

15h01: 
A Câmara de Lisboa vai ter, entre hoje e domingo, a bandeira do município colocada a meia haste em "profunda solidariedade" com as vítimas do atentado de quinta-feira à noite em Nice, França, foi anunciado.

14h27: O presidente francês François Hollande disse em conferência de imprensa que cinquenta pessoas estavam entre a vida e a morte.

"Há cerca de 50 pessoas que ainda permanecem em urgência absoluta, quer dizer entre a vida e a morte. Entre estas vítimas, há franceses, e há também muitos estrangeiros vindos de todos os continentes e há muitas crianças, crianças jovens", declarou o chefe de Estado.  

13h45: De acordo com o Le Parisien, a mulher de Mohamed Bouhlel foi detida pela polícia francesa.

13h30: Pelo menos um cidadão português ficou ferido na sequência do ataque registado na quinta-feira à noite, na cidade francesa de Nice, confirmou hoje o Governo. Segundo a mesma fonte, trata-se de um homem, que está hospitalizado, na zona de Nice, e que vai ser operado a uma perna esta tarde.

13h15: O aeroporto de Nice acaba de ser reaberto, após a polícia descartar perigo por bagagens abandonadas.

13h07: Há pelo menos nove estrangeiros entre as vítimas mortais: dois norte-americanos, um arménio, um ucraniano, um suíço, uma estudante russa, e três alemães (uma professora e dois alunos).

12h30: O aeroporto de Nice está a ser evacuado. Os passageiros estão a ser encaminhados para fora do edifício. O alerta foi dado depois de ter sido encontrado bagagem abandonada.

12h06: De acordo com o Daily Mail, a polícia questionou o porquê de Mohamed Bouhlel, o terrorista responsável pelo ataque, ter um camião frigorifico parado no local, antes da tragédia. O homem terá respondido que "ia distribuir gelados".

11h46: Um esquadrão da brigada de minas e armadilhas está a investigar um camião de aluguer que se encontra estacionado a cerca de 100 metros do local onde decorrem buscas num apartamento. Dois edifícios foram evacuados. 

11h20: O Governo português indicou que até ao momento não há portugueses entre as vítimas do atentado, embora possa haver pessoas com dupla nacionalidade que estejam a ser contabilizadas como francesas. Em declarações à Lusa, fonte da secretaria de Estado das Comunidades explicou que até ao momento todas as informações disponíveis indicam que não há portugueses entre as vítimas.

10h54: Das 50 crianças internadas nos hospitais da região, duas não sobreviveram aos ferimentos e acabaram por morrer na manhã desta sexta-feira. O número de mortos não oficial é agora de 86.

10h50: Foi "formalmente identificado" o autor do atentado. Trata-se de Mohamed Lahouaiej Bouhlel. Este homem já tinha sido condenado pelo crime de violência em março passado.

10h45: Fontes policiais confirmaram a nacionalidade de sete das vítimas mortais: um ucraniano, um russo, dois americanos e três alemães (um professor e dois alunos).

10h34: O secretário-geral da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Lamberto Zannier, expressou hoje a sua "tristeza e horror" pelo atentado em Nice na noite passada, de acordo com a agência Efe.

10h30: O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse hoje que "o terrorismo nunca derrotará a democracia", manifestando ainda "forte solidariedade" com França. "Este ataque teve como alvo pessoas inocentes e os valores centrais que a NATO defende. Mas o terrorismo nunca derrotará a democracia, a liberdade e as nossas sociedades abertas", disse Stoltenberg.


10h29: Autor do ataque já tinha sido condenado por violência. 

10h24: Segurança reforçada em Londres

10h00: O contrarrelógio da 13.ª etapa da Volta a França em bicicleta vai ser esta sexta-feira disputado, com segurança reforçada, confirmou a organização.

09h54: Os utilizadores das redes sociais recorreram ao Twitter para encontrar vítimas e para oferecer acolhimento. A hashtag #portesouvertsnice que significa portas abertas serviu para oferecer acolhimento e a hashtag #recherchenice serve para procurar desaparecidos.


09h51: A "técnica" utilizada pelo franco-tunisino de 31 anos já tinha sido incentivada pelo Daesh num dos seus vídeos de propaganda.  Numa das películas inicialmente disseminadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, diversos militantes do Daesh encorajam os jihadistas presentes em França a utilizar carros e camiões como armas, à semelhança do que aconteceu neste último ataque. 

09h36: A Polícia Marítima e a Marinha francesa fazem patrulha ao largo de Nice.




09h33: Primeiro-ministro francês decreta dois dias de luto nacional. 

09h32: Estado de emergência em França mantém-se.

09h31: Madrid vai fazer um minuto de silêncio pelas vítimas de Nice.


09h29: As autoridades belgas decidiram hoje manter o nível de alerta terrorista (em 3 numa escala de 4), na sequência do atentado em Nice (França), mas irão rever as medidas previstas para a festa nacional, a 21 de julho próximo.

09h28: As autoridades francesas mantêm isolada a zona atingida pelo ataque terrorista em Nice, muito visitada por turistas, mas ainda não foram divulgadas informações sobre as nacionalidades das vítimas, disse hoje à Lusa uma portuguesa residente na cidade.

09h10: A reunião do Conselho de Segurança convocada por Hollande começou às 9h00.

09h05: Atualmente encontram-se em Nice aproximadamente 10 mil portugueses. Fátima Lopes conta o horror vivido na noite do massacre.

09h00: Ainda não se conhecem as identidades da maioria das vítimas do ataque que ocorreu esta quinta-feira em Nice, França, mas entre os mortos figura o "número 2" da polícia da fronteira.

08h20: Há registou de belgas desaparecidos.

08h10: Segundo a I Télé, a polícia francesa está a efetuar buscas na casa do autor do massacre. 


08h00: Marselha cancela o fogo-de-artifício devido ao atentado em Nice.


Nice França Conselho de Segurança Fátima Lopes camião terrorismo ataque mortos atentado
Ver comentários