Correio da Manhã

Política
Chega critica proposta "marcadamente ideológica" do OE2020
Por Lusa | 17 de Dezembro de 2019 às 16:01
André Ventura Parlamento
Foto: Mariline Alves André Ventura
Foto: Mariline Alves André Ventura
Foto: Mariline Alves André Ventura

1/4

André Ventura não adiantou o sentido do seu voto.

O deputado único do Chega criticou esta terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2020, considerando que é um documento "marcadamente ideológico" que vai "contra o espírito do programa de Governo", mas não adiantou o sentido do seu voto.

Em declarações à agência Lusa no final de um almoço no International Club of Portugal, onde foi orador convidado, André Ventura afirmou que o documento é "muito marcadamente ideológico", o que se vê na "questão das touradas [aumento do IVA das entradas para a taxa máxima - 23%], como se viu com questões relacionadas com o ensino e, por exemplo, na questão da reserva dos polícias e dos militares, a questão da disponibilidade".

"Para já, é um Orçamento que nos parece ir completamente ao arrepio daquilo que deveria ir, mas mais, ao arrepio daquilo que tinham sido as promessas feitas no programa de Governo quando foi apresentado na Assembleia da República", argumentou, ressalvando que a sua análise à proposta "não está completamente concluída".

"É um Orçamento muito ideológico e, portanto, aparentemente, numa primeira análise vai contra o espírito do próprio programa de Governo, e é marcadamente ideológico contra os portugueses", salientou o deputado.

Apesar das críticas, André Ventura recusou revelar o seu sentido de voto, que disse já estar definido, alegando "uma questão de respeito institucional".

"Acho que não devo, antes de dizer ao senhor Presidente da República, dizer aos jornalistas", afirmou.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, iniciou esta terça-feira uma ronda de audiências com os partidos com representação parlamentar, e André Ventura vai ser recebido às 16h00, no Palácio de Belém, em Lisboa.

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 foi apresentada ao final do dia de segunda-feira na Assembleia da República pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.

No documento prevê-se um excedente orçamental equivalente a 0,2% do PIB, o que a concretizar-se será o primeiro saldo orçamental positivo da democracia.

A proposta do Governo prevê ainda uma taxa de crescimento económico de 1,9% e uma descida da taxa de desemprego para 6,1%.

Com a entrega da proposta do Governo inicia-se agora a sua análise e debate, estando prevista a votação final global para 06 de fevereiro.

Pub
Pub