Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Berardo arrisca ficar sem condecorações

Conselho decide esta sexta-feira se retira grau de comendador e Grã-Cruz da Ordem do Infante.
Salomé Pinto 16 de Maio de 2019 às 08:24
Empresário madeirense chocou o País quando disse, no Parlamento, que não tinha quaisquer dívidas à Caixa Geral de Depósitos e que tentou ajudar os bancos
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário madeirense chocou o País quando disse, no Parlamento, que não tinha quaisquer dívidas à Caixa Geral de Depósitos e que tentou ajudar os bancos
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário madeirense chocou o País quando disse, no Parlamento, que não tinha quaisquer dívidas à Caixa Geral de Depósitos e que tentou ajudar os bancos
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Empresário Joe Berardo é ouvido no parlamento
Joe Berardo arrisca perder o grau de comendador e a Grã-Cruz da Ordem do Infante na reunião desta sexta-feira à tarde do Conselho das Ordens Nacionais, presidido por Manuela Ferreira Leite.

A antiga ministra das Finanças decidiu convocar um conselho extraordinário, depois de saber que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não irá contestar a retirada das duas condecorações a Berardo. "O Presidente não vê qualquer oposição", afirmou ontem o Chefe de Estado.

O processo foi desencadeado depois das polémicas afirmações do empresário madeirense, na semana passada, na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos.

As respostas e o tom utilizado a algumas questões dos deputados levantaram uma onda de indignação. Berardo chegou a dizer que "não tem dívidas" e que "tentou ajudar os bancos".

O primeiro-ministro, António Costa, ficou "chocado com o desplante" de Berardo e Marcelo Rebelo de Sousa pediu "decoro".

Esta quarta-feira, o presidente do PSD, Rui Rio, defendeu "a retirada da comenda a Berardo", acrescentando que "há mais alguns na lista a quem se podia tirar as condecorações", enquanto o ‘vice’ de Rio, David Justino, comparou o comendador a um "autêntico vampiro".

O CDS pediu ao presidente do Parlamento para instaurar um processo com vista à irradiação de Berardo dos quadros da Ordem.

O advogado José Miguel Júdice ameaçou mesmo devolver a condecoração de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, afirmando que não quer "fazer parte de uma ordem que tem como companheiro de caminho Berardo".

O empresário foi agraciado com o grau de comendador da Ordem do Infante em 1985 pelo então Presidente da República, Ramalho Eanes. Em 2004, Jorge Sampaio condecorou-o com a Grã-Cruz da mesma Ordem.

SAIBA MAIS 
2
Ordens Nacionais existem na direta dependência do Presidente da República, a da Liberdade e a do Infante D. Henrique. Berardo foi condecorado com duas insígnias da Ordem do Infante: grau de comendador e Grã-Cruz.

Decisão independente
É ao Conselho das Ordens Nacionais que compete a abertura de processos e decidir sobre a retirada de condecorações. O Chefe de Estado não pode pedir ao conselho para se pronunciar, apenas dar sinais de que não se opõe, como aconteceu.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)