Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Esquerda tenta parar alterações à lei laboral

CGTP vai reunir com grupos parlamentares para apelar à rejeição da proposta do Executivo.
Beatriz Ferreira 17 de Junho de 2018 às 02:19
CGTP
CGTP
Arménio Carlos, líder da CGTP
Jerónimo de Sousa
CGTP
CGTP
Arménio Carlos, líder da CGTP
Jerónimo de Sousa
CGTP
CGTP
Arménio Carlos, líder da CGTP
Jerónimo de Sousa
As propostas do Governo de alteração à lei laboral vão ser contestadas até ao último minuto, quer pela CGTP, quer pelos partidos à Esquerda. A intersindical – que não assinou o acordo na concertação social – anunciou que vai reunir com os grupos parlamentares para travar o pacote do Executivo.

"O Governo, provavelmente porque se aproximam as eleições e tem perspetivas de poder ter um resultado suficiente para que possa governar sozinho sem o apoio de outros partidos, está a encetar um percurso que o encaminha para a direita", defendeu ontem o líder da CGTP, Arménio Carlos. A Intersindical apelou à participação numa concentração junto à Assembleia da República a 6 de julho – dia em que os deputados discutem o tema.

Também o Bloco de Esquerda (BE) aponta o dedo às propostas do Executivo. "O Governo apresentou uma proposta à revelia do que tinha sido negociado [com o Bloco]", diz ao CM José Soeiro. Segundo o deputado bloquista, na última reunião entre o BE e o Executivo, na véspera do acordo na concertação social, "foram ocultadas medidas que o Governo depois apresentou aos parceiros sociais". Em causa estão propostas como a duplicação do período experimental para 180 dias e o aumento do prazo dos contratos de muito curta duração de 15 para 35 dias.

O PCP já declarou a oposição firme ao acordo. Na sexta-feira, o líder comunista, Jerónimo de Sousa, voltou a dizer que "cada vez mais" se justifica a luta "quando se assiste a uma sistemática posição de resistência da parte do Governo do PS, em clara sintonia com PSD e CDS, com as sucessivas revisões para pior do Código do Trabalho".

A contestação às medidas do Executivo faz-se também dentro do próprio PS. Carlos César, líder da bancada parlamentar socialista, já anunciou que o partido vai apresentar propostas de alteração ao pacote laboral do Governo.

PORMENORES
Período experimental
A proposta do Executivo prevê que o período experimental passe de 90 a 180 dias nos contratos sem termo de quem procura o primeiro emprego e de desempregados de longa duração.

Banco de horas grupal
O Governo quer o fim do banco de horas individual mas admite o banco grupal se 65% dos trabalhadores votarem a favor.

Taxa ‘antiprecariedade’
As empresas arriscam-se a pagar uma taxa anual até 2% sobre a massa salarial caso ultrapassem a média do setor no número de contratos a prazo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)