Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

“Nomeações da CGD não correram bem” (COM VÍDEO)

Presidente do grupo parlamentar do PSD admite que está a ser “pedido um esforço colossal aos portugueses” e garante que a bancada laranja “não vai ser uma caixa de ressonância da actuação do Governo”
7 de Agosto de 2011 às 00:30
ENTREVISTA, LÍDER PARLAMENTAR, PSD, LUÍS MONTENEGRO
ENTREVISTA, LÍDER PARLAMENTAR, PSD, LUÍS MONTENEGRO FOTO: Vítor Mota

Correio da Manhã - Este Governo vai tirar o país desta asfixia económica e financeira?

Luís Montenegro - Tenho a convicção e a esperança de que este Governo está muito determinado para soltar Portugal de uma vez por todas deste clima, que, como dizia, é asfixiante.

- No último fim-de-semana, assistimos a um primeiro episódio PSD/CDS que teve como protagonistas Alberto João Jardim e Paulo Portas. A aliança saiu fragilizada?

- Não há qualquer fragilidade no âmbito da coligação. O acordo entre o CDS/PP e o PSD não contempla as eleições regionais.

- De qualquer forma, a história das coligações em Portugal revela-nos que estas não são duradouras, e que normalmente não vão para além dos dois anos. Acredita que esta será diferente?

- Acredito que desta vez se vai manter o facto de não ser dentro da coligação que os problemas irão surgir, como em coligações anteriores. Como também acredito que não haverá factores externos que a possam condicionar.

- Mesmo quando estiverem em causa entendimentos sobre questões que é de conhecimento público que separam o PSD e o CDS, como a privatização da RTP e da Águas de Portugal, a descida da TSU ou a redução do número de deputados?

- Acho que já há mostras de capacidade de aproximar posições. Algumas das questões que me coloca já estão no programa do Governo.

- O primeiro-ministro disse que já teria o relatório sobre a TSU e que iria apresentá-lo em breve. Na sua opinião, em quantos pontos percentuais seria justo baixar esta taxa?

- Naturalmente, vamos esperar aquilo que vai constar desse estudo que é fundamental para poder conferir exequibilidade a esse desafio.

- Durante a campanha para as legislativas, o PSD apontou para uma redução de oito pontos. Considera adequada?

- Durante a campanha o compromisso que o PSD assumiu foi durante a legislatura promover uma diminuição de quatro por cento. O que não significa que do ponto de vista da acção governativa nós não possamos ter uma decisão diferente.

- A exclusão de Bernardo Bairrão do Governo tem ainda muito por explicar, não concorda?

- Não me parece. Aquilo que é público e que o primeiro-ministro reiterou é que houve uma possibilidade dessa personalidade poder fazer parte do Governo e houve uma decisão final que não o integrou. Não podemos estar a extrapolar mais do que isto.

- Por uma questão de credibilidade e até de transparência, não deveria haver por parte do Governo um esclarecimento sobre o que se passou?

- O Governo esclareceu, até de uma forma muito transparente, se quer que lhe diga...

- Mas aqui parece haver mais. Têm sido veiculadas notícias de pedidos de informação de Bernardo Bairrão às secretas.

- Sei que há uma tentação para  este tipo de episódios, agora a verdade é esta: ainda ninguém conseguiu demonstrar que houve qualquer episódio para além do que se disse.

- E que comentários lhe oferece o caso do ex-director do SIED? Não deveriam ser criados mecanismos para travar a passagem directa de pessoal do SIED e do SIS para grupos empresariais privados?

- Acho que a questão vai muito além dos serviços de informação e tenho a certeza que a breve prazo poderemos discutir isso da forma mais correcta, que é saber se, no âmbito do exercício de funções públicas, deve ou não haver, quando as funções são cessadas, implicações na reintegração das pessoas na sua actividade profissional.

- Acredita de facto que a sobretaxa em sede de IRS será aplicada com equidade e justiça social?

- Acredito, sinceramente. Acho que ninguém de bom senso pode considerar agradável. Mas ela era indispensável para podermos cumprir os nossos compromissos.

- Outra má notícia foi o aumento do preço dos transportes, sendo que está já previsto um novo aumento em Janeiro. Não se está a pedir um esforço colossal aos portugueses?

- Está, está de facto a pedir-se um esforço colossal aos portugueses. Mas não nos podemos esquecer que a dívida acumulada total do sector nas empresas de transportes é de 17 mil milhões de euros. A alternativa é não ter serviço.

- O conselho de administração da CGD aumento de sete para onze elementos. Já foram dadas explicações sobre esta matéria. De qualquer forma, não ficou quebrada a promessa do partido de não fazer escolhas de cariz partidário?

- Acho que há aqui duas questões: a questão do aumento do número de membros do conselho de administração está hoje explicada, compreendida, mas reconheço que não correu bem no dia em que foi apresentada ao país.

- O que é que falhou?

- Julgo que a forma como foi dado a conhecer ao país que o conselho de administração passava de sete para onze membros, não tendo sido acompanhada de toda a sua explicação, que hoje está apreendida, provocou um primeiro embate com a opinião pública que podia ter sido mais amortecido. Relativamente ao currículo e às pessoas escolhidas, ninguém pode acusar o governo de estar a partidarizar a administração da Caixa.

- O próprio Pacheco Pereira fê-lo. 

- Repare, para já as mudanças afectaram 50% dos membros de administração, nem tanto. Não houve aqui nenhuma tentativa de ir colocar na administração da Caixa pessoas com ligações partidárias para poderem de alguma forma politizar a gestão da Caixa.  E as pessoas escolhidas têm currículos profissionais que, diria, que são à prova de bala.

- O PSD foi um dos partidos que pediu a audição da secretária de Estado do Tesouro no âmbito da compra do BPN pelo BIC. Na sua opinião o valor deste negócio não foi baixo?

- O facto de ter sido o grupo parlamentar do PSD em conjugação com o CDS a solicitar a audição significa que a bancada parlamentar do PSD ,mesmo sendo uma das que sustenta politicamente o Governo, será sempre a primeira interessada em cumprir a sua função de fiscalização e escrutínio da actividade governativa.

- Não se limitará a ser um ‘yes man' do Governo?

- O grupo parlamentar do PSD não vai ser uma caixa de ressonância do Governo.

- Voltando à compra do BPN pelo BIC: 40 milhões de euros. Não foi uma venda ao desbarato?

- Não, repare, nos dois procedimentos anteriores não houve sequer interessados, portanto acho que comparar esta proposta com a ausência de propostas, é naturalmente uma evolução positiva.

- Enquanto líder parlamentar, tem áreas específicas que o preocupem?

- Estamos já a preparar algumas iniciativas mas ainda não é oportuno fazer essa revelação.

- A questão da corrupção, por exemplo, é uma área que o preocupa? Já têm pensadas medidas de combate?

-É uma área que nos preocupa. Temos já um historial nas anteriores legislaturas de iniciativas políticas nesse domínio. Não lhe escondo que, pessoalmente, tenho sido favorável por exemplo à criminalização do enriquecimento ilícito e que tentaremos, no quadro da maioria parlamentar PSD/CDS-PP, construir uma solução de apresentação legislativa nesse domínio.

PERFIL

Luís Montenegro, 38 anos, é advogado, presidente da Assembleia Municipal de Espinho e líder do grupo parlamentar do PSD. Na anterior legislatura, ocupou o cargo de vice-presidente da bancada laranja. Montenegro já foi também vereador na Câmara de Espinho.

ENTREVISTA LÍDER PARLAMENTAR PSD LUÍS MONTENEGRO
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)