Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

Sócrates quer ajuda de ricos

José Sócrates definiu ontem, em Varsóvia, na Polónia, a promoção do apoio das regiões mais ricas às mais pobres como um dos principais objectivos de Portugal durante os seis meses, a contar a partir de hoje, em que assumirá a presidência do Conselho da Europa, a mais antiga organização europeia.
17 de Maio de 2005 às 00:00
Data célebre - Sócrates cumprimenta o presidente da Polónia, Aleksander Kwasniewski. O Conselho da Europa foi criado em 5 de Maio de 1949.
Data célebre - Sócrates cumprimenta o presidente da Polónia, Aleksander Kwasniewski. O Conselho da Europa foi criado em 5 de Maio de 1949. FOTO: Bartlomiej Zborowski
“A consolidação da coesão social em todo o Continente é essencial para o nosso desenvolvimento” e Portugal quer “favorecer iniciativas de coesão social”, disse o primeiro-ministro no discurso de abertura da Cimeira de Varsóvia.
José Sócrates assegurou que Portugal irá, durante a sua presidência, nos próximos seis meses, proteger os valores comuns europeus. “Comprometemo-nos totalmente a promover a implementação dos nossos valores em todas as áreas de actividade do Conselho”, disse.
À margem da cimeira, o primeiro-ministro teve encontros bilaterais com o presidente da Polónia, Aleksander Kwasniewski, o primeiro-ministro da Grécia, Costas Caramanlis, e o primeiro-ministro da Eslovénia, Janez Jansa, com os quais abordou o estado das negociações sobre as perspectivas financeiras na União Europeia, que estão em fase final.
Segundo fonte diplomática, o presidente polaco convidou Sócrates a visitar oficialmente a Polónia, além de manifestar a esperança de que, durante a presidência portuguesa, possa haver avanços políticos que permitam uma aproximação ao Conselho da Europa da Bielorrússia, único país que não pertence ao Conselho da Europa. Com sede em Estrasburgo, esta organização foi fundada pela Bélgica, França, Luxemburgo, Holanda, Reino Unido, Irlanda, Itália, Dinamarca, Noruega e Suécia. O seu principal objectivo é a defesa dos direitos humanos.
ELOGIO AOS UCRANIANOS
O primeiro-ministro elogiou ontem em Varsóvia a comunidade ucraniana em Portugal. Num encontro com o presidente da Ucrânia, à margem da cimeira do Conselho da Europa, José Sócrates sublinou a Viktor Iuchtchenko a contribuição “positiva” que os emigrantes ucranianos têm dado à economia portuguesa. Sócrates e Iuchtchenko trocaram convites para visitar os respectivos países.
A comunidade ucraniana em Portugal ascende a 65.875 cidadãos, dos quais 1.180 têm autorização de residência e os restantes autorização de permanência.
Ver comentários