Produção parada na Secil de Setúbal devido a greve

Trabalhadores exigem aumento salarial de 40 euros por mês.
30.05.17
A produção na fábrica da Secil no Outão, em Setúbal, está esta terça-feira parada por causa da greve de três dias dos trabalhadores, que reclamam aumentos salariais e reposição de direitos laborais inscritos na contratação coletiva.

Segundo fonte do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Cerâmica, Cimentos e Construção, afeto à CGTP, o primeiro turno, que arrancava às 00h00 e que é responsável pelo funcionamento dos fornos, teve uma adesão de 100%.

Em declarações à agência Lusa, Pedro Jorge, do sindicato, explicou que a greve está "a correr como os trabalhadores tinham decidido", com uma adesão de 100% tanto nos fornos como nos moinhos e na expedição do material em stock.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!