Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Infraestruturas de Portugal com expectativa de acordo antes da greve de quarta-feira

No protesto marcado por 14 organizações sindicais, ficam garantidos apenas os serviços mínimos definidos legalmente.
29 de Outubro de 2018 às 16:02
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
Linha de comboio
A Infraestruturas de Portugal (IP) manifestou esta segunda-feira expetativa de chegar a um acordo com os sindicatos antes da greve de quarta-feira, tendo a Fectrans confirmado que as reuniões continuam na terça-feira com o Governo.

Dois dias antes da paralisação na empresa gestora da infraestrutura ferro e rodoviária, fonte oficial da IP informou à Lusa que o "processo negocial ainda decorre" e que a expectativa é que "seja atingido um acordo" que permitida desconvocar o protesto, que deverá causar "fortes perturbações na circulação" de comboios.

Por seu lado, José Manuel Oliveira, coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), confirmou a realização de uma reunião na terça-feira, no Ministério do Planeamento e Infraestrutura, "no âmbito do processo negocial da IP".

A CP - Comboios de Portugal já alertou para "fortes perturbações na circulação" devido à greve na IP, face à previsão de "supressões de comboios a nível nacional em todos os serviços".

"Não serão disponibilizados transportes alternativos", acrescentou ainda a empresa de transportes.

Segundo decisão do tribunal arbitral sobre o protesto marcado por 14 organizações sindicais, ficam garantidos apenas os serviços mínimos definidos legalmente.

Depois de apresentados os argumentos da empresa e dos sindicatos, o tribunal decidiu estarem abrangidos, nos serviços mínimos, os encaminhamentos para o destino de comboios a circular ao início da greve, os comboios socorro e aqueles que transportem matérias perigosas, 'jet fuel', carvão e bens perecíveis.

Na reunião para determinar os serviços mínimos, que decorreu na sexta-feira, a IP apresentou a ata de reunião da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho, na qual dois sindicatos (ASCEF e SINFA) tinham concordado com a proposta apresentada pela empresa de 25% de serviços mínimos.

Por seu lado, os outros 12 sindicatos defenderam abranger apenas, nos serviços mínimos, os comboios em marcha à hora da greve, os comboios de socorro e os trabalhadores que asseguram serviços para a segurança e manutenção de equipamentos e instalações.

Na quinta-feira, as organizações de trabalhadores da IP voltaram a exigir que a administração da empresa e o Governo concretizem o acordo coletivo de trabalho e cheguem a acordo sobre um regulamento de carreiras.

Num cordão humano realizado em Lisboa, entre o Ministério do Planeamento e Infraestruturas e a Presidência do Conselho de Ministros, foram entregues, respetivamente, dois documentos a exigir a concretização do acordo em curso.

Em 10 de outubro, a Fectrans anunciava que a greve na IP marcada para dois dias depois decorreria em 31 de outubro, nos "mesmos moldes".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)