Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

“A minha avó caminhou em direção às chamas”

Felismina desorientou-se e, quando a família se apercebeu, “já era tarde”.
João Carlos Rodrigues 22 de Junho de 2017 às 03:36
Justina Jesus não conseguiu impedir que a avó Felismina, desorientada, caminhasse na direção do fogo
Corpo de Felismina ficou no terreno dois dias, no meio do mato queimado, diz a filha
Pedrógão Grande
Maria Santos diz que não houve bombeiros para ajudar e que foram o marido e o filho a salvar a casa com mangueiras
Justina Jesus não conseguiu impedir que a avó Felismina, desorientada, caminhasse na direção do fogo
Corpo de Felismina ficou no terreno dois dias, no meio do mato queimado, diz a filha
Pedrógão Grande
Maria Santos diz que não houve bombeiros para ajudar e que foram o marido e o filho a salvar a casa com mangueiras
Justina Jesus não conseguiu impedir que a avó Felismina, desorientada, caminhasse na direção do fogo
Corpo de Felismina ficou no terreno dois dias, no meio do mato queimado, diz a filha
Pedrógão Grande
Maria Santos diz que não houve bombeiros para ajudar e que foram o marido e o filho a salvar a casa com mangueiras
Ramalho é hoje uma aldeia fantasma. Já tinha pouco mais de 20 habitantes e agora são ainda menos. O fogo "destruiu quase tudo". Quem sobreviveu à tragédia foi embora por vontade própria ou levado "pelos filhos que vivem na cidade", conta Justina Jesus, que foi impotente para travar a marcha da avó Felismina, uma idosa de 82 anos, na direção das chamas, no sábado à tarde, depois de escapar da casa a arder.

"Com o pânico ou por desorientação andou na direção do fogo e ele comeu-a. Nós não pudemos fazer nada. Apenas queríamos fugir e salvar a nossa casa. Quando nos apercebemos já era tarde de mais", recorda ao CM, em lágrimas, a mulher natural de Tomar que o casamento levou para o concelho de Pedrógão Grande.

À porta de casa, onde vive com o marido, os sogros e um filho, apenas se vê destruição em redor. Terra queimada, hortas destruídas, palheiros e galinheiros completamente reduzidos a cinzas. "Tudo aquilo que dava sustento e comida para a mesa da nossa família", diz.

Ontem, pouco depois da hora de almoço, receberam a visita de psicólogos do INEM. Uma ajuda "bem-vinda", mas que deveria ser "desnecessária se tivéssemos tido ajuda quando ficámos cercados pelo fogo".

A sogra de Justina reforça: "não se viu por aqui um bombeiro. Foi o meu marido e o meu filho que salvaram a casa com mangueiras e baldes de água". "Para vocês verem, o corpo da minha mãe ficou ali estendido no chão, no meio do mato queimado, dois dias. Fomos nós que o tapámos. Foi tratada pior que um cão, sujeita a ser comida por animais", acusa Maria Manuela Santos, de 56 anos.

E daqui para a frente? "Vamos ficar aqui. Não temos nada, nem sequer para onde ir. Mas precisamos de ajuda", concordam as duas mulheres. As chamas levaram todo o sustento da família.
Pedrógão Grande incêndio fogo chamas avó aldeia de ramalho
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)