Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

António Costa quer respostas urgentes sobre 'Estrada da Morte'

Primeiro-ministro exige esclarecimentos sobre três questões fulcrais que levaram à tragédia de Pedrógão.
20 de Junho de 2017 às 12:34
Reportagem do CM percorreu cenário desolador da EN236, estrada da morte, onde o fogo matou 47 pessoas
GNR deu ordens para seguir pela via. Foram encurralados pelas chamas.
Residente no concelho de Pedrógão Grande que perdeu tudo
Cão queimado no incêndio de Pedrogão Grande
Militares ajudam bombeiros no combate aos fogos
Reportagem do CM percorreu cenário desolador da EN236, estrada da morte, onde o fogo matou 47 pessoas
GNR deu ordens para seguir pela via. Foram encurralados pelas chamas.
Residente no concelho de Pedrógão Grande que perdeu tudo
Cão queimado no incêndio de Pedrogão Grande
Militares ajudam bombeiros no combate aos fogos
Reportagem do CM percorreu cenário desolador da EN236, estrada da morte, onde o fogo matou 47 pessoas
GNR deu ordens para seguir pela via. Foram encurralados pelas chamas.
Residente no concelho de Pedrógão Grande que perdeu tudo
Cão queimado no incêndio de Pedrogão Grande
Militares ajudam bombeiros no combate aos fogos
O primeiro-ministro pediu esclarecimento urgente sobre três das circunstâncias fulcrais que levaram às consequências trágicas do incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, distrito de Leiria.

Num despacho ao qual a agência Lusa teve acesso, assinado pelo próprio chefe de governo, António Costa elabora três questões dirigidas às autoridades competentes e responsáveis pelas mesmas. O documento menciona as condições metereológicas e dinâmicas geofisícas "adversas e invulgares" que se fizeram sentir, o funcionamento do SIRESP e ainda a ausência do encerramento da EN 231-I, que levou à morte de dezenas de pessoas.

De acordo com o primeiro-ministro, "sem prejuízo da avaliação global que terá lugar no termo das operações ainda em curso, há três questões relativas à tragédia ocorrida em Pedrógão Grande no passado sábado" que entende "necessário esclarecer desde já".

Circunstâncias metereológicas e dinâmicas geofisícas invulgares:

"Houve no local circunstâncias meteorológicas e dinâmicas geofísicas invulgares que possam explicar a dimensão e intensidade da tragédia, em especial no número de vítimas humanas, sem paralelo nas ocorrências de incêndios florestais, infelizmente tão frequentes em Portugal", começa por questionar o primeiro-ministro, numa pergunta dirigida ao Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Funcionamento da rede SIRESP:

António Costa pergunta depois se é passível de confirmação que "houve interrupção do funcionamento da rede SIRESP (Rede Nacional de Emergência e Segurança)".

"Porquê, durante quanto tempo, se não funcionaram as suas próprias redundâncias e que impacto teve no planeamento, comando e execução das operações, como se estabeleceram ligações alternativas?", questiona o primeiro-ministro, esperando obter respostas por parte da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Falta de encerramento da "Estrada da Morte"

"Porque não foi encerrada ao trânsito a Estrada Nacional (EN 236-I), foi esta via indicada pelas autoridades como alternativa ao IC 8 já encerrado e foram adotadas medidas de segurança à circulação nesta via?", pergunta ainda o líder do executivo à GNR.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 130 feridos, segundo um balanço provisório divulgado na segunda-feira.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)