Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Arguido João Tavares no processo Face Oculta já se entregou à GNR

Primeiro arguido do caso entregou-se voluntariamente.
16 de Janeiro de 2019 às 12:27
Detido foi transportado para as instalações da GNR
GNR
GNR
Detido foi transportado para as instalações da GNR
GNR
GNR
Detido foi transportado para as instalações da GNR
GNR
GNR
João Tavares, o primeiro arguido do processo Face Oculta condenado a pena efetiva a ver a sentença tornar-se definitiva, entregou-se voluntariamente esta quarta-feira de manhã na GNR de Vendas Novas, no distrito de Évora, informou a sua advogada.

Em declarações à agência Lusa, a advogada Ana Vilhena referiu que o seu cliente será agora transportado para o estabelecimento prisional de Montijo ou Setúbal, onde deverá cumprir a pena que lhe foi aplicada na primeira instância.

João Tavares, ex-funcionário da Petrogal, foi condenado pelo Tribunal de Aveiro a cinco anos e nove meses de prisão, por ter recebido 12.500 euros de Manuel Godinho para "facilitar" o negócio dos resíduos ao sucateiro na refinaria de Sines.

O homem de 65 anos, atualmente na reforma, recorreu para a Relação do Porto, que manteve a decisão, e, ao contrário dos restantes coarguidos no processo condenados a penas efetivas, não interpôs novo recurso, o que fez com que a sua condenação transitasse em julgado mais rapidamente.

Além de João Tavares, também os arguidos Armando Vara e Manuel Guiomar deverão entrar na cadeia, nos próximos dias.

O segundo, que tem uma pena de seis anos e meio para cumprir, deslocou-se na terça-feira ao estabelecimento prisional de Évora para se entregar voluntariamente, mas a direção da cadeia não o aceitou por não ter perfil adequado para aquele estabelecimento prisional.

Contactada pela Lusa, a advogada Poliana Ribeiro disse que o ex-quadro da Refer se irá entregar voluntariamente no estabelecimento prisional de Castelo Branco "na quinta-feira à tarde ou o mais tardar na sexta-feira".

Na passada segunda-feira, a juíza titular do processo Face Oculta emitiu dois mandados de condução a estabelecimento prisional para João Tavares e Manuel Guiomar.

Quanto a Armando Vara, também arguido deste processo, a juíza deu-lhe um prazo de três dias, que termina na quinta-feira, para se apresentar na cadeia e cumprir a pena de cinco anos de prisão efetiva a que foi condenado, por três crimes de tráfico de influência.

O processo Face Oculta, que começou a ser julgado em 2011, está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho nos negócios com empresas do setor do Estado e privadas.

Além de Armando Vara e Manuel Godinho, foram arguidos no processo o ex-presidente da REN (Redes Energéticas Nacionais) José Penedos e o seu filho Paulo Penedos, entre outros.

Na primeira instância, dos 36 arguidos, 34 pessoas singulares e duas empresas, 11 foram condenados a penas de prisão efetiva, entre os quatro anos e os 17 anos e meio.

Atualmente, ainda estão pendentes no Tribunal Constitucional os recursos de Manuel Godinho, José Penedos, Domingo Paiva Nunes, Hugo Godinho e Figueiredo Costa.
Ver comentários