Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Atropelado quer indemnização

Armindo Oliveira está tetraplégico e respira por um tubo ligado à garganta, que muitas vezes o sufoca. Atropelado no dia 9 de Fevereiro deste ano, só consegue mexer o pescoço. Não fala nem anda. Os dias são passados entre a cadeira de rodas e a cama. O condutor fugiu e a família de Armindo está revoltada com a situação.
18 de Maio de 2009 às 00:30
Armindo Oliveira está paralisado
Armindo Oliveira está paralisado FOTO: direitos reservados

O atropelamento ocorreu quando a vítima atravessava uma curva na Calçada de S. Vicente, em Lisboa, e foi projectada por um carro.

Armindo foi operado à coluna e acabou por ficar totalmente dependente de assistência médica e de uma terceira pessoa que esteja constantemente a vigiá-lo. Há mais de três meses que está internado no Hospital de S. José e não há perspectivas de saída porque a mulher, Natália, de 58 anos, não tem condições para manter o marido em casa. Seria necessário uma cama e uma cadeira de rodas especiais, para além das despesas médicas e de higiene. "Por vezes nem dinheiro têm para comer, quanto mais para as despesas de agora", explicou ao CM uma sobrinha de Armindo, que garante que as dificuldades são imensas. A assistente social do Hospital já está a auxiliar psicologicamente a família. "Era uma jóia de pessoa, não merecia", continua a sobrinha.

A família quer agora abrir um processo judicial contra desconhecidos: "Os autores do atropelamento já não vão dar a saúde ao meu tio, só queremos justiça. A indemnização pode ajudar o meu tio a estar mais confortável. Não desistiremos."

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)