Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Caça ao veado

Seis veados e três javalis foram ontem caçados na primeira montaria autorizada aos veados na Serra da Lousã. Um “grande dia”, garantiram os caçadores, que pretendem que iniciativas deste género se mantenham. “Quando o abate é controlado, a dizimação da espécie não se coloca”, dizem.
17 de Dezembro de 2006 às 00:00
A caça ao veado é permitida na serra da Lousã, apesar do abate ser controlado
A caça ao veado é permitida na serra da Lousã, apesar do abate ser controlado FOTO: Raul Cardoso
A mancha, com cerca de 350 hectares, permitiu a presença de 60 caçadores. Depois do pequeno-almoço, no Castelo de Penela, seguiram para a floresta. Com 275 cães – onze matilhas de 25 cães cada – espalhados pelas encostas, os caçadores foram avisados para o facto de apenas poderem abater machos, em virtude do abate controlado da espécie estar legalmente estabelecido. Conscientes das regras, chegaram ao final com seis veados caçados e muitos outros avistados.
José Alberto Silva, presidente da Associação de Caçadores da Espinheira e Lagarteira, mostrou-se agradado por “ter corrido tudo bem”, justificando as elevadas expectativas dos caçadores por ser “a primeira montaria aos veados autorizada na Serra da Lousã.
“A caça aos veados favorece toda a gente”, assegurou, antes de acrescentar que “os caçadores não querem dizimar a espécie”.
O número e a qualidade dos animais avistados e a certeza de os disparos dos caçadores, que não caíram na tentação de abater fêmeas, são “a prova de que os cervídeos não correm risco de extinção”. O repovoamento destes animais na Serra da Lousã, recorde-se, iniciou-se há 14 anos.
Organizada pela Associação de Caçadores da Espinheira e Lagarteira, com o apoio da Câmara Municipal de Penela, esta montaria surgiu no âmbito de um projecto de regularização do número de veados, com o objectivo de atenuar os prejuízos causados por aqueles animais aos agricultores.
A satisfação global dos caçadores, mesmo dos que não dispararam, era visível. “Passaram mesmo ao meu lado”, explicou um dos homens, antes de ser interrompido por outro: “Também os vi passar, mas não consegui acertar-lhes.”
No grupo, houve quem tivesse ficado fascinado. “Fica para a próximas, mas só por os ter visto já valeu a pena ter vindo.”
RETRATO
Cervus elaphus é o seu nome científico. Distribuem-se desde a Europa até à Ásia e Norte de África. São mamíferos herbívoros que se alimentam de rebentos de arbustos, plantas e casca de árvore. Pesam entre 100 e 200 quilos e medem cerca de 1,20 metros. Fora da época de acasalamento, as fêmeas vivem em grupos, enquanto os machos são solitários.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)