Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Dirigente dos No Name Boys preso por tráfico

'Maniche’ – alcunha dada por ser fisicamente parecido ao antigo avançado do Benfica – é dirigente da claque benfiquista No Name Boys. Sem profissão, o jovem de 27 anos foi anteontem detido pela PJ por tráfico de droga. Tinha, entre outras, uma pequena quantidade em pó de 2C-B, droga sintética alucinogénica nunca antes apanhada em Portugal.
1 de Dezembro de 2006 às 00:00
O 2C-B foi apreendido em pó. A droga tem efeitos eróticos e alucinogénios
O 2C-B foi apreendido em pó. A droga tem efeitos eróticos e alucinogénios FOTO: D.R.
A Direcção Central de Investigação do Tráfico de Estupefacientes (DCITE) fez uma busca no Estádio da Luz, à sede dos No Name Boys. Lá foram encontradas 21 munições de calibre .38 e um bastão extensível – arma para a qual, de acordo com a nova lei, é necessária uma licença passada pela PSP, o que não se verificava.
Segundo disse ao CM fonte da PJ, ‘Maniche’ foi apanhado no âmbito de uma das várias investigações autónomas em curso ao tráfico interno de drogas sintéticas em raves e ginásios de manutenção/musculação. A essas operações a PJ tem chamado ‘Erva Daninha’. ‘Maniche’ foi detido na ‘Erva Daninha IV’.
“São pequenas estruturas que não estão ligadas, embora possam ter ocorrido contactos pontuais. Esta foi a quarta operação e outras virão”, assegurou a fonte.
‘Maniche’ admitiu serem dele as munições para revólver e o bastão extensível (com uma bola em ferro na extremidade e capaz de provocar lesões graves) encontrados no Estádio da Luz. O jovem não ofereceu resistência. O revólver “ainda não foi encontrado”.
Em sua casa estavam 420 gramas de pólen de haxixe, 164 de liamba e pequenas quantidades de LSD, MDMA (ecstasy) e – pela primeira vez em Portugal – a droga sintética 2C-B (fenitilamina), bem como uma balança de precisão.
A 2C-B é uma droga alucinogénica (proíbida em Portugal desde 2004) criada em 1974. Pode apresentar-se em comprimidos ou pó e tem um efeito erótico (chegou a ser vendida legalmente como afrodisíaco). Na rua é chamada ‘Eve’, ‘Venus’, ‘Bees’ ou ‘bromo-mescalina’.
Em doses elevadas, o consumidor tem alucinações e vê os objectos a deixarem rastos luminosos e coloridos. A música ritmada faz aumentar os efeitos – que duram 4 a 8 horas. Em doses elevadas pode ser perigosa, embora seja considerada a menos danosa dos alucinogénicos.
LSD, MDMA e 2C-B estavam em pó. “Embora, nessa forma, essas substâncias possam ser usadas para produzir outras drogas, acreditamos que seriam para consumo, uma vez que não há informações de que em Portugal haja algum laboratório de drogas sintéticas”, esclareceu a fonte policial. A PJ não esclarece onde é que ‘Maniche’ traficava: nas festas ‘rave’ que frequentava, na claque, ou em ambos os locais.
A ‘Erva Daninha’ apanhou ‘Maniche’ ‘no caminho’. Inicialmente “não havia nenhuma suspeita contra ele”. “As desconfianças surgiram no decurso das investigações”, explicou a fonte da PJ.
A DCITE tem várias equipas a trabalhar no fenómeno das drogas sintéticas – uma delas dedicada a recolher informação na internet, onde já se faz em Portugal o chamado ‘cibertráfico’ (traficantes e consumidores fazem contactos e encomendas de droga através da internet).
CRIADOR ERA DA POLÍCIA
Chamam-no ‘Dr. Ecstasy’. Alexander ‘Sasha’ Shulgin – farmacologista, químico e criador de drogas, de nacionalidade americana e origem russa, agora com 81 anos – foi o pai da 2C-B, entre centenas de outras drogas sintéticas. Estudou em Harvard, na Marinha e na Califórnia.
Os seus dotes valeram-lhe uma colaboração efectiva com a DEA, a agência federal antidroga dos Estados Unidos. Experimentou todas as drogas que criou, relatando-as em livros – o mais famoso chamado PiHKAL (sigla americana de Fenitilaminas que Experimentei e Gostei), após a publicação do qual, em 1992, foi alvo de uma busca pela DEA.
PORMENORES
PREVENTIVA
‘Maniche’ já não vai hoje ver o dérbi com o Sporting. O tribunal mandou-o em preventiva.
NATURALIDADE
A PJ vê com naturalidade a ‘estreia’ do 2C-B em Portugal. “São tantas as drogas sintéticas que este caso não é relevante. As que faltam vão acabar por aparecer cá”, disse a fonte.
'ERVA DANINHA'
Nas operações ‘Erva Daninha’ foram presos oito suspeitos de tráfico em raves.
OUTRO CASO
Cinco membros dos SuperDragões, claque do Porto, foram detidos em Abril por tráfico nas ruas de Gondomar e em festas rave por todo o País.
Ver comentários