Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Festa de fim-de-ano termina à facada

Facadas, desacatos, actos de vandalismo, pedradas contra as forças da ordem e tiros. Os ingredientes que agitaram o Bairro do Zambujal, perto de Bucelas, Loures, na noite da passagem-de-ano. Balanço final: um ferido graves, três militares da GNR com ferimentos leves, dois detidos por agressões às forças policiais e a identificação do esfaqueador.
2 de Janeiro de 2006 às 00:00
Força do Pelotão de Intervenção Rápida da GNR actuou ontem no Bairro do Zambujal, em Loures
Força do Pelotão de Intervenção Rápida da GNR actuou ontem no Bairro do Zambujal, em Loures FOTO: Sérgio Lemos
Ontem de manhã, embora o clima de tensão tivesse baixado e os incidentes fossem tema das conversas dos moradores, as ameaças de retaliação não deixaram de se ouvir, tanto mais que é conhecido o esfaqueador de Leandro Filipe Andrade, de 21 anos. “A facada vai-lhe sair muito cara”, disse uma moradora que pediu o anonimato.
O crime ocorreu cerca das 2h20 da manhã, na Rua Dr. José Duarte Turras, no centro da localidade, quando por motivos ainda não esclarecidos, Leandro Andrade foi esfaqueado várias vezes no abdómen. Uma irmã de Leandro assistiu à agressão e pediu socorro, vindo mais tarde a identificar o esfaqueador.
Leandro, transportado pelos bombeiros locais para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, foi alvo de uma intervenção cirúrgica de cerca de quatro horas, mantendo-se, ontem, ainda em estado crítico.
Uma patrulha do Pelotão de Intervenção Rápida (PIR) da GNR de Loures, que se encontrava na localidade em serviço, quando tomava conta da ocorrência, foi cercada por um grupo de indivíduos que injuriou os militares.
Vendo-se cercados de forma ameaçadora, e quando começaram a chover pedras e outros objectos contundentes, os guardas procederam a alguns disparos de balas de borracha com arma antimotim, conseguindo então controlar a situação e deter dois dos principais agitadores, de nacionalidade portuguesa e etnia africana.
Três dos militares do PIR sofreram ferimentos ligeiros, tendo sido tratados no Hospital de Santa Maria. A viatura da GNR também sofreu danos.
“Desde que foi realojado aqui o pessoal das barracas, o bairro deixou de ser tranquilo”, comentou um dos moradores mais antigos do Zambujal.
BAIRRO PERDE TRANQUILIDADE
Os moradores mais antigos do Bairro do Zambujal apontam claramente o dedo aos realojados do programa PER como os autores dos desacatos que, cada vez com mais frequência, ocorrem naquele bairro.
“Dantes, isto era um sossego. O bairro já não é o mesmo e hoje quase todos os dias há actos de vandalismo nas paragens dos autocarros, nos sinais de trânsito, zaragatas. Esta foi a mais grave”, disse um morador que falou sob anonimato com receio de represálias.
A falta de efectivos no Posto Territorial da GNR em Bucelas, que tutela o bairro, levou ao reforço do policiamento com militares do Pelotão de Intervenção Rápida de Loures.
CRONOLOGIA
AGRESSÃO
Leandro Andrade foi esfaqueado várias vezes no ventre, na rua principal do bairro do Zambujal, Bucelas, cerca das 2h20 da manhã e na frente de sua irmã, que chamou os socorros.
HOSPITAL
O jovem ferido esteve cerca de quatro horas no Bloco Operatório do Hospital de Santa Maria, Lisboa, a intervenção terminou cerca das 07h00 e o seu estado é considerado crítico.
DISPAROS
A patrulha da GNR que tomou conta da ocorrência e identificou o agressor esteve cercada pelos moradores que tentavam proteger o suspeito. Houve disparos de intimidação.
Ver comentários