Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Fogo em prédio de Lisboa deixa duas mulheres feridas

Vítimas ficaram encurraladas pelas chamas no topo do prédio.
João Carlos Rodrigues 2 de Fevereiro de 2020 às 07:36
Bombeiros tiveram de usar autoescada para socorrer as duas vítimas, encurraladas nos últimos pisos do nº 101 da avenida Almirante Gago Coutinho
Fumo intenso que saía pelas janelas do 9º andar revela violência do incêndio, que destruiu quase na totalidade o apartamento
Bombeiros tiveram de usar autoescada para socorrer as duas vítimas, encurraladas nos últimos pisos do nº 101 da avenida Almirante Gago Coutinho
Fumo intenso que saía pelas janelas do 9º andar revela violência do incêndio, que destruiu quase na totalidade o apartamento
Bombeiros tiveram de usar autoescada para socorrer as duas vítimas, encurraladas nos últimos pisos do nº 101 da avenida Almirante Gago Coutinho
Fumo intenso que saía pelas janelas do 9º andar revela violência do incêndio, que destruiu quase na totalidade o apartamento
Duas mulheres ficaram feridas e tiveram de ser hospitalizadas depois de ficarem encurraladas pelas chamas num incêndio que deflagrou este sábado de manhã, num 9º andar de um prédio da avenida Almirante Gago Coutinho, em Lisboa. Uma das vítimas, de 49 anos, estava na casa onde deflagrou o fogo e sofreu queimaduras. A outra mulher, de 70 anos e que trabalhava como porteira, vivia no piso acima e teve de receber assistência devido à inalação de fumos.

A situação não teve um desfecho mais trágico devido à rápida intervenção dos bombeiros. Com recurso a uma autoescada, elementos do Regimento de Sapadores conseguiram retirar as duas mulheres, impedidas de fugir por estarem cercadas pelo fogo, pelo exterior. Foram assistidas no local e depois transportadas ao Hospital de Santa Maria. Ambas ficaram internadas, mas nenhuma corre perigo de vida.

O alerta chegou aos bombeiros pelas 7h57 e obrigou a mobilizar 29 operacionais, apoiados por nove viaturas, entre sapadores, INEM, PSP e Polícia Municipal.

Devido ao fumo que se espalhou por todo o edifício, outras 20 pessoas, algumas das quais ainda estavam a dormir, foram retiradas de casa durante cerca de meia hora. Apesar do susto, nenhum destes moradores sofreu quaisquer ferimentos.

Segundo o CM apurou, o incêndio teve origem num dos quartos do apartamento onde vivia a mulher que sofreu queimaduras, mas não está ainda apurada a causa do mesmo. A investigação será agora feita pela Polícia Judiciária.
Ver comentários