Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Fuga em esquentador mata dois trabalhadores da construção civil

Mário Rui e José Luís Santos, de 35 e 48 anos, foram encontrados sem vida em casa, em Portalegre.
Hugo Rainho e Francisco Gomes 19 de Junho de 2019 às 09:06
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Fuga em esquentador mata dois trabalhadores em Portalegre
Uma fuga de gás na instalação de um esquentador antigo numa casa na freguesia de Urra, em Portalegre, esteve esta terça-feira de manhã, segundo as autoridades, na origem da morte de dois trabalhadores da construção civil. Na casa arrendada estavam quatro operários, mas dois sobreviveram. A tragédia vitimou José Luís Santos, de 48 anos, e Mário Rui, de 35. Eram ambos residentes na freguesia de Benedita, em Alcobaça.

De acordo com o segundo comandante dos Bombeiros Voluntários de Portalegre, Jorge Marques, "a instalação do esquentador foi feita pelos próprios trabalhadores e não estaria na melhores condições". Admitiu que tal poderá ter estado na origem das mortes. A mesma hipótese é avançada por Lucas Silva, um dos sobreviventes, que disse ao CM que ele e os colegas tomaram banho na noite anterior e que depois desligaram o esquentador. Assume que a fuga de gás pode ter ocorrido a partir desse momento.

O alerta para a tragédia foi dado às 07h15, precisamente por um dos sobreviventes. De imediato, foram enviadas ambulâncias para o local, mas dois dos operários já tinham perdido a vida. Os sobreviventes, de 21 e 37 anos, tiveram de ser levados para o hospital de Portalegre.

Os quatro operários, todos de Alcobaça, estavam a trabalhar na construção civil na zona do Crato e tinham arrendado a casa onde ocorreu a tragédia.

José Luís Santos morava em Freires, com a mulher e os filhos, um rapaz de 13 anos e uma rapariga de 21 anos. O ambiente esta terça-feira era de grande tristeza na aldeia. António Carvalho, tio da vítima, explicou que a família "vai tentar aguentar o melhor possível" e recordou o sobrinho como "uma pessoa muito prestável".

Já em Azambujeira, a família de Mário Rui mostrava-se também inconsolável. "Vai fazer muita falta", relatou um casal vizinho.

PORMENORES
Vítima foi transferida
Um dos sobreviventes teve mais tarde de ser transferido para o Hospital das Forças Armadas, em Lisboa, para ser sujeito a tratamento numa câmara hiperbárica.

Empresa fechada
A empresa para a qual os quatro trabalhadores da construção civil estavam a prestar serviço, na zona do Crato, encontrava-se esta terça-feira encerrada.

Famílias com apoio
As famílias das duas vítimas mortais estavam já esta terça-feira a receber apoio psicológico. Encontravam-se muito abaladas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)