Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve

Sucessivos atrasos no pagamento dos salários continua a ser o principal motivo do descontentamento.
João Nuno Pepino 31 de Maio de 2019 às 17:41
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve
Funcionários da limpeza do Hospital de Santarém voltam à greve

São trabalhadores da limpeza, mas não admitem ser tratados como lixo. Foi este o mote para mais uma greve dos funcionários dos serviços de higiene e limpeza do Hospital de Santarém, que voltaram a concentrar-se na manhã desta sexta-feira em protesto à porta da unidade hospitalar.

Os sucessivos atrasos no pagamento dos salários continua a ser o principal motivo do descontentamento. "Nunca sabemos a que dia vamos receber, é sempre uma incerteza", lamentou ao CM Isabel Vitorino, acrescentando que, perante os atrasos, há funcionários que ficam sem dinheiro para pagar as contas mensais. "Alguns têm luz e água porque os colegas emprestam-lhes dinheiro", explica a trabalhadora.

Segundo Vivalda Silva, coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores dos Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades Diversas (STAD), a Foamy Sparkle, empresa que venceu o concurso externo para a prestação de serviços de limpeza no Hospital de Santarém, está também em incumprimento grave noutras questões laborais. "Não há mapa de férias, por isso os funcionários nem sabem quando vão de férias ou quando recebem os subsídios, e a empresa não está a enviar para a Segurança Social os descontos que faz aos salários, todos os meses", explica Vivalda Silva.

Perante o histórico de incumprimento das obrigações laborais, os trabalhadores pedem uma intervenção da Autoridade Para as Condições do Trabalho. O CM tentou contatar a empresa, mas sem sucesso.

 

Ver comentários