Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Julgamento de corrupção nas messes da Força Aérea começa hoje em Sintra

Em causa está o envolvimento de militares num alegado esquema de sobrefaturação.
Lusa 7 de Janeiro de 2019 às 07:13
Inspetores passaram por Alcochete
Base aérea do Montijo também foi alvo de buscas
Inspetores passaram por Alcochete
Base aérea do Montijo também foi alvo de buscas
Inspetores passaram por Alcochete
Base aérea do Montijo também foi alvo de buscas
O Tribunal de Sintra começa esta segunda-feira a julgar o processo de corrupção nas messes da Força Aérea Portuguesa (FAP), conhecido como Operação Zeus, que conta com 68 arguidos, 30 militares e 38 civis, entre empresas e pessoas individuais.

O coletivo de juízes, presidido por Susana Marques Madeira, marcou o início da sessão para as 09h30, com continuação à tarde.

Em causa está o envolvimento destes militares num alegado esquema de sobrefaturação na aquisição de bens e matérias-primas para a confeção de refeições nas messes da FAP e do Hospital das Forças Armadas, tendo o Ministério Público (MP) referido na acusação um valor de mais de 2,5 milhões de euros.

Em troca da sobrefaturação dos contratos para o fornecimento de bens alimentares, os militares recebiam, alegadamente, dinheiro e presentes dos fornecedores, em função da intervenção de cada um no esquema fraudulento.

O major-general (agora na reserva) Raul Milhais Carvalho, que era então responsável pela Direção de Abastecimento e Transportes (DAT) da FAP, localizada no Estado Maior da Força Aérea (EMFA), em Alfragide, concelho de Amadora, é um dos principais arguidos.

Entre os restantes arguidos estão oficiais superiores da FAP, nomeadamente dois coronéis (um dos quais na reserva), dois tenentes-coronéis, três majores (um na reserva), além de quatro capitães e vários militares da classe de sargentos.

À data dos factos (desde pelo menos 2011), estes militares estavam colocados na DAT e nas messes onde houve registo de crimes: Base Aérea n.º 1 (BA1 - Sintra), BA4 (Lajes, Açores), BA5 (Monte Real, Leiria), BA6 (Montijo), BA11 (Beja), Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (Ota - Alenquer), Comando Aéreo (Monsanto -- Lisboa), Campo de Tiro (Alcochete), EMFA, Alfragide, Aeródromo de Trânsito n. º1 (Figo Maduro) e Depósito Geral de Material da Força Aérea (Alverca).

Em 14 de fevereiro do ano passado, o Tribunal Central de Instrução Criminal decidiu levar a julgamento 68 dos 86 arguidos inicialmente acusados pelo MP - 40 militares e 46 civis, entre empresários, empresas e trabalhadores -, tendo o juiz determinado, nesse dia, a libertação dos 18 arguidos que estavam em prisão preventiva.

Na leitura da decisão instrutória, o juiz Ivo Rosa proferiu despacho de não pronúncia (decidiu não levar a julgamento) 18 dos arguidos (dez militares, duas empresas e seis civis), e deixou cair os crimes de falsidade informática e de associação criminosa por considerar que não se provou a existência de "uma estrutura organizada", mas antes uma estrutura militar através da qual os arguidos "praticaram os factos ilícitos".

O processo segue agora para julgamento com 68 arguidos a responder por corrupção passiva (os militares) e por corrupção ativa (os fornecedores) e por falsificação de documentos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)