Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Pedro Dias usou meia e batata para calar vítimas

Homem e mulher estiveram sequestrados pelo homicida.
18 de Outubro de 2016 às 02:30
casa, sequestro, Pedro Dias
pedro dias novo e velho, gnr, aguiar da beira, assassino, fugitivo
casa, sequestro, Pedro Dias
pedro dias novo e velho, gnr, aguiar da beira, assassino, fugitivo
casa, sequestro, Pedro Dias
pedro dias novo e velho, gnr, aguiar da beira, assassino, fugitivo
As duas pessoas que foram sequestradas por Pedro Dias no domingo, numa casa desabitada no lugar da Portela, na freguesia de Moldes, estiveram mais de uma hora com o homicida.

A mulher foi a primeira a ser surpreendida e foi logo manietada. Mas os gritos fizeram com que Pedro Dias lhe colocasse uma batata na boca para a calar. O vizinho – jardineiro – que veio em seu auxílio também acabou sequestrado e amarrado por um lençol. O silêncio foi garantido com uma meia que o fugitivo lhe pôs na boca.

Antes de fugir com o carro do jardineiro, Pedro Dias pediu dinheiro. Mas só conseguiu pouco mais de cinco euros, o montante que as vítimas tinham nos bolsos. No entanto, levou documentos do homem e mantimentos, que colocou no veículo usado para fugir – a carrinha Opel Astra que abandonou em Vila Real.

As duas vítimas foram libertadas por familiares depois de Pedro Dias escapar novamente. Assistidas no hospital, regressaram a casa, mas não perderam o medo. Familiares garantiram ao CM que "estão em choque". "Foi um grande susto e têm medo que ele volte para lhes fazer mal."

Este episódio reacendeu o medo nas várias povoações da freguesia de Moldes. Quase todos acreditam que, "enquanto conseguir escapar, vai voltar sempre" às serras do concelho de Arouca, local que conhece desde pequeno.
Pedro Dias Moldes Opel Astra Vila Real Arouca crime fugitivo homicídio assassinato
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)