Portugueses detidos na Venezuela vão permanecer em prisão preventiva

Foram acusados de impedir o abastecimento de produtos básicos e de violarem as leis que regulam os preços.
22.09.18
Um tribunal da Venezuela decidiu, este sábado, manter em prisão preventiva pelo menos dez portugueses e luso-descendentes, todos eles gerentes de supermercados, acusados de impedir o abastecimento de produtos básicos e de violarem as leis que regulam os preços.

Estes portugueses, segundo fonte judicial, fazem parte de um grupo de 34 gerentes das redes de supermercados Central Madeirense e Excelsior Gama (que pertencem a portugueses) que foram detidos nos últimos dias. "O tribunal ordenou que permaneçam detidos enquanto decorrerem as investigações", num "processo que ronda os 45 dias", explicou a mesma fonte à agência Lusa.

Os detidos são acusados de não respeitarem o preço máximo de venda ao público de produtos, de açambarcamento e de modificarem os preços de venda, além de terem vazias as prateleiras de carne, frango, arroz e massa, relembra a revista Sábado.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!