Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Professores com doenças incapacitantes obrigados a regressar às escolas

Objetivo é realizar "serviços moderados". Denúncia foi feita pela Fenprof.
Lusa 20 de Fevereiro de 2019 às 17:36
Educação
Professores
Sala de aula
Alunos
Educação
Professores
Sala de aula
Alunos
Educação
Professores
Sala de aula
Alunos
Professores com doenças incapacitantes, como acidentes vasculares cerebrais (AVC) ou doenças oncológicas, estão a ser obrigados a regressar às escolas pelas juntas médicas para realizar "serviços moderados", denunciou esta quarta-feira a Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

"Temos casos um pouco por todo o país. Já recebemos uma vintena de casos", disse à Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, lembrando a história de uma professora que teve um AVC e foi obrigada a apresentar-se na escola apesar de ter grandes dificuldades em falar e de ser muito difícil perceber o que diz.

Quando têm doenças prolongadas, os docentes podem estar de baixa durante 36 meses (dois períodos de 18 meses), tendo depois de regressar ao serviço ou submeter-se a uma junta médica, explicou.

Até há pouco tempo, os serviços do Ministério da Educação tinham as suas juntas médicas, mas, entretanto, os docentes passaram a ser examinados pelas juntas da Caixa Geral de Aposentações.

Segundo Mário Nogueira, estas juntas "começaram a decidir que afinal as pessoas, com doenças prolongadas, estavam em condições de retomar a atividade", obrigando os docentes a regressar à escola indicando que estas lhes deveriam atribuir "serviços moderados".

"Não estamos a falar de uma gripe ou uma constipação. Estamos a falar de doenças oncológicas, AVC ou transplantes", sublinhou Mário Nogueira, questionando a ideia do regresso à escola.

"Mas o que é isto dos serviços moderados? É ter menos turmas a quem der aulas? Não ter turmas? As próprias escolas não sabem bem e o problema é que quando estes professores se apresentam na escola, os docentes contratados para substituir o professor têm de sair", explica, sublinhando que o docente doente é obrigado a permanecer ao serviço durante 30 dias seguidos sob pena de passar para situação de licença sem vencimento.

Resultado: "Perdem todos" - O professor doente que não está capaz de dar aulas, o professor contratado que é mandado embora e os alunos que deixam de ter aulas, enumerou Mário Nogueira.

A Fenprof diz que já pediu várias reuniões aos responsáveis do Ministério da Educação para discutir esta matéria, mas ninguém responde aos pedidos de reunião, tendo também já apresentado o problema aos grupos parlamentares para que possam intervir no âmbito das suas competências, e também à Ordem dos Médicos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)