Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Reconheceu ladrão meses após o crime

Uma comerciante de Viseu foi assaltada à mão armada no final de Dezembro. Numa extraordinária coincidência, identificou o ladrão, passados quatro meses e meio, numa agência bancária da cidade. A PSP anunciou ontem que o indivíduo já está em prisão preventiva.
19 de Maio de 2006 às 00:00
O ladrão fugiu a pé pela Rua Cândido dos Reis depois do assalto
O ladrão fugiu a pé pela Rua Cândido dos Reis depois do assalto FOTO: Luís Oliveira
O assaltante, de nacionalidade brasileira, assaltou a loja de Viseu no dia 30 de Dezembro de 2005, sob ameaça de uma pistola. A vítima estava acompanhada de uma cliente.
Segundo revelou ontem a PSP, o assalto verificou-se às 16h15. O ladrão, de 28 anos, entrou no estabelecimento (cujo ramo de negócios omitimos a pedido da vítima) como um cliente normal. Mas, como estava a demorar muito tempo, a comerciante perguntou-lhe se precisava de ajuda. Nessa altura, o homem puxou de uma pistola, encostou a vítima e uma cliente ao balcão e exigiu o dinheiro. Fugiu a pé com 210 euros pela Rua Cândido Reis.
As vítimas apresentaram queixa na PSP, mas durante quatro meses e meio não tiveram novidades.
Na segunda-feira, pelas 14h00, a comerciante entrou numa agência bancária e reconheceu no interior do edifício, “sem qualquer margem para dúvida” – como disse ao CM – o autor do assalto.
Sem que o ladrão se apercebesse, a mulher telefonou para a PSP de Viseu, que pouco depois deteve o suspeito, sem que o este tivesse oferecido resistência, e entregou-o à PJ de Coimbra, para posteriores investigações.
Posteriormente, apurou-se que o indivíduo, em situação ilegal no País, também é suspeito de no mesmo dia (30 Dezembro de 2005) ter assaltado à mão armada um estabelecimento comercial em Coimbra, pelas 21h00.
Neste caso terá actuado com um cúmplice – que ainda não foi identificado – e terá roubado 300 euros.
Segundo a PSP, “nas instalações policiais a comerciante reconheceu inequivocamente o assaltante”. Em resultado, o suspeito foi presente ao juiz do Tribunal Judicial de Viseu que lhe determinou prisão preventiva até à realização de julgamento.
A vítima, refere a Polícia em comunicado, “ficou em pânico e muito traumatizada” na altura em que foi cometido o assalto.
COMERCIANTE TRAUMATIZADA
A comerciante, que quer manter o anonimato, referiu ontem ao CM que continua ainda “muito assustada e traumatizada”. Primeiro, por ter sido vítima de um assalto à mão armada e, depois, por volvidos meses ter dado de caras com o assaltante. A vítima não quer falar sobre o assunto porque tem medo de represálias.
“Nunca se sabe o que pode acontecer”, limita-se a dizer, visivelmente incomodada com as circunstâncias que rodearam o crime e a forma como identificou o suspeito.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)