Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

SIS admite atos ilegais

Rui Pereira invoca direito de necessidade e legítima defesa.
Débora Carvalho 5 de Fevereiro de 2016 às 18:26
Silva Carvalho é o principal arguido do julgamento das secretas
Silva Carvalho é o principal arguido do julgamento das secretas FOTO: David Martins
O ex-ministro da Administração Interna e antigo chefe do Serviço de Informações de Segurança (SIS) Rui Pereira admitiu esta quinta-feira em tribunal que algumas ações ilegais podem ser justificadas em nome da legítima defesa e do direito de necessidade.

"No meu tempo [há 16 anos] essas escutas eram impensáveis porque não havia material", frisou Rui Pereira. As revelações em tribunal do ex-espião e arguido, João Luís, sobre a realização de escutas ambientais e o acesso das secretas a registos telefónicos das operadoras de telecomunicações levaram o Ministério Público a extrair certidões para a abertura de inquérito sobre práticas ilegais dos serviços de informações.

Na quinta-feira, o atual diretor do SIS, Adélio Neiva da Cruz, ouvido como testemunha no julgamento do caso das secretas, garantiu que "não há material técnico para realizar escutas". Já o diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), José Casimiro Morgado, que sucedeu a Silva Carvalho - o principal arguido do processo -, declarou-se "chocado" com a ideia de que "os serviços sejam vistos como associação de malfeitores".

SIS Rui Pereira Administração Interna Silva Carvalho Paulo Cristovão SIS Adélio Neiva da Cruz
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)