Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Técnico morre a reparar elevador em queda de 21 andares no edifício do BPI em Lisboa

Homem de 43 anos estava a trabalhar no 17º andar quando a cabine caiu para o andar -4 das garagens.
Miguel Curado 21 de Setembro de 2019 às 10:06
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Homem morre a reparar elevador em queda de 21 andares no edifício do BPI em Lisboa
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Homem morre a reparar elevador em queda de 21 andares no edifício do BPI em Lisboa
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Homem morre a reparar elevador em queda de 21 andares no edifício do BPI em Lisboa
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Técnico morre em queda de elevador do 17.º andar em edifício do banco BPI
Um homem de 43 anos, técnico de reparação de elevadores que trabalhava para uma empresa subcontratada da Schindler Portugal, morreu esta sexta-feira em sequência de uma queda de 21 andares num edifício do banco BPI, em Lisboa.

A vítima estava a trabalhar na manutenção da cabine do elevador, no 17º andar do edifício na Avenida Casal Ribeiro. Pelas 12h39, quando o homem estava dentro do elevador e o colega no exterior, ocorreu o acidente.

Por razões que só um inquérito interno que a Schindler Portugal já prometeu lançar, a cabina desprendeu-se e caiu abruptamente. O elevador só parou no andar -4, das garagens.

Foi criado um perímetro de segurança em redor do edifício e mobilizado um dispositivo de socorro constituído por bombeiros sapadores, PSP e INEM. Os trabalhos decorreram no piso subterrâneo do edifício da Avenida Casal Ribeiro, e só pelas 15h45 foi retirado o cadáver do poço do elevador.

A PJ esteve no local a averiguar as circunstâncias da morte, e o corpo foi removido pelas 17h20 para o Instituto de Medicina Legal, onde será autopsiado.

Empresa promete toda a colaboração
A empresa responsável pela manutenção do elevador onde ocorreu o acidente em Lisboa é a Schindler. Segundo a empresa, à família do trabalhador falecido "será prestado todo o apoio, bem como ao colega da vítima que está a receber apoio psicológico".

"Nesta altura ainda não é possível apurar as causas do acidente, mas a Schindler Portugal está a colaborar diretamente com as autoridades" no inquérito ao acidente", diz a empresa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)