Tribunal húngaro rejeita colocar Rui Pinto em prisão preventiva pedida por Ministério Público

Hacker ficará a aguardar a decisão de extradição para Portugal em prisão domiciliária.
13.02.19
O tribunal de segunda instância da Hungria decidiu manter Rui Pinto, o alegado hacker do Benfica, em prisão domiciliária e não transferi-lo para uma cadeia, de forma a aguardar preso preventivamente o desenrolar do processo de extradição para Portugal.

O pedido de prisão preventiva tinha sido formulado pelo Ministério Público húngaro.

A decisão do tribunal é do dia 7 de fevereiro.


pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!