Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Amnistia quer prostituição regulada

Movimento Democrático das Mulheres continuará a lutar.
13 de Agosto de 2015 às 11:41
Trabalhadoras do sexo
Trabalhadoras do sexo FOTO: Reuters

A Amnistia Internacional (AI) votou a favor da descriminalização dos trabalhadores do sexo, desmentindo que tenha sugerido a proteção do proxenetismo e do tráfico de seres humanos. "Terceiros que exploram ou abusam de trabalhadores do sexo continuam a ser criminalizados sob o modelo que a Amnistia Internacional propõe", explica a secção portuguesa da AI.

Já o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) defende que continuará a lutar "em defesa dos direitos de todas as pessoas prostituídas" para que "não se adotem no nosso país quaisquer políticas de descriminalização do lenocínio, legalizando a indústria do sexo, ou seja, legalizando a venda dos corpos/sexo das pessoas".
Amnistia Internacional AI Movimento Democrático de Mulheres questões sociais prostituição
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)