Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Doentes e profissionais elogiam hospitalização domiciliária de Portimão

Serviço de cuidados médicos alternativo permite que a assistência possa ser prestada em ambiente familiar.
Lusa 11 de Julho de 2021 às 09:21
Médicos
Médicos FOTO: Getty Images
Os doentes e profissionais envolvidos na unidade de hospitalização domiciliária de Portimão elogiam o serviço de cuidados médicos alternativo que permite que a assistência possa ser prestada em ambiente familiar.

Ainda não são 09:30 quando o carro da equipa da unidade de hospitalização domiciliária de Portimão do Centro Hospitalar e Universitário do Algarve (CHUA) para junto à escola primária de Alvor (Portimão), para a primeira visita da manhã, numa ação acompanhada pela Lusa.

Arlindo Batista aguarda em casa os cuidados que os profissionais lhe prestam todos os dias, depois do internamento a que teve de ser sujeito no Hospital de Portimão.

"É uma iniciativa mais que boa. É um serviço que nos dá um paz diferente que estar no hospital" revela.

Para o doente, com 61 anos, o apoio familiar é um os pontos positivos e destaca "a comida" e a "companhia" como contributo para uma recuperação "mais ativa", diferente de "estar deitado no hospital 24 horas à espera que a máquina trabalhe uma hora" para lhe fornecer o antibiótico.

"A nível emocional é mais fácil que a pessoa se sinta melhor, vá buscar mais força e não se deixar abater tão facilmente. Em casa, há sempre um amigo que passa e o apoio familiar que temos acho que ajuda mesmo na recuperação", confessa.

Terminada a visita e reforçados os votos para o regresso no dia seguinte, a equipa segue viagem para Alcantarilha (Silves), a quase 28 quilómetros de distância. Pelo caminho há uma passagem no Parchal (Lagoa) para dar alta a uma doente e libertar um vaga para outro paciente.

Nuno Vieira é o médico coordenador do serviço de hospitalização domiciliária de Portimão do CHUA e destaca a "prevenção das complicações associadas ao internamento hospitalar" -- infeções, quedas, desorientação e sofrimento por separação da família - como as mais-valias do serviço.

"Se conseguirmos garantir a sua segurança no internamento em casa e que todas as necessidades associadas à sua doença estão a ser cumpridas, é um benefício", assegura o médico.

Para os familiares há também a "mais-valia" de manterem o "contacto diário com o doente", aponta, com o acréscimo de cuidarem dele "24 sobre 24 horas" aumentando a probabilidade de que todas as suas necessidades "sejam cumpridas", além da vantagem neste tempo de pandemia de covid-19 onde as visitas hospitalares "estão condicionadas".

O profissional defende que este serviço torna o sistema "mais eficiente", já que o custo do internamento domiciliário é "claramente mais baixo" que o convencional e tem a vantagem de "deixar camas livres".

Para além de alguns critérios clínicos que tornam os doentes elegíveis para integrar este serviço, há ainda a limitação de a deslocação não ultrapassar os "30 quilómetros ou 30 minutos da sede da unidade".

O serviço teve início em maio deste ano, mas já se aponta para um "crescimento" a médio prazo, passando dos cinco para os 10 doentes, à semelhança da unidade de Faro que iniciou o serviço "há dois anos", e a implementação da telemonitorização para um acompanhamento "mais próximo com os doentes".

Anabela Ferreira é a enfermeira coordenadora do serviço e destaca a importância de se confrontarem com a "realidade da casa e das condições de vida do doente", que obrigam a um trabalho de equipa e a "encontrar soluções" para cada caso.

"Os doentes mostram a casa, as suas limitações sociais, as dificuldades na alimentação. Nós temos um conjunto de profissionais interdisciplinares que consegue dar esta resposta muito mais adequada", realça a enfermeira, já com 24 anos de experiência.

É à porta da casa térrea que a mãe de Joaquim Lopes aguarda a equipa que diariamente presta os necessários cuidados médicos ao filho, instalado num pequeno quarto à entrada da habitação, onde uma cama e uma televisão lhe dão o conforto necessário à recuperação.

A equipa é recebida como se de um amigo de longa data se tratasse e a boa disposição e a forma como o enfermeiro Humberto aborda Joaquim deixam o ambiente mais animado. Todos os dias de manhã a equipa administra a medicação intravenosa, deixando apenas uma injeção para a tarde, que o próprio doente administra.

"No hospital tinha um boa assistência, mas aqui em casa fico mais consistente por ter a família ao pé e sinto-me mais à vontade", revela Joaquim.

Para o enfermeiro Humberto Ferreira, a ligação com a família permite à equipa obter informações que muitas vezes o próprio doente "não consegue dar", resultando numa adaptação "muito mais eficaz" no regresso ao domicílio.

As condições de cada casa e o modo de vida de cada família obrigam a um trabalho de pedagogia "gradual" por parte da equipa para que sejam garantidas as condições mínimas necessárias à recuperação, mas o resultado final é de reconhecimento.

"Somos sempre muito bem recebidos, acarinhados e há pessoas que no dia da alta chegam a chorar e a perguntar se não podemos continuar a ir lá. Muitas vivem isoladas e a companhia e a melhoria contínua do estado de saúde traz-lhes algum confronto e segurança", revela.

Marta Duarte é uma das cinco médicas que compõem a equipa e destaca como as visitas domiciliárias permitem "contactar com a realidade do doente", percebendo o "tipo de casa", que apoio a família "lhe pode dar na alimentação e medicação" ou se é necessário "fazer ajustes".

Nem sempre a ajuda que os familiares asseguram poder dar é "bem como diziam", havendo trocas de medicamentos e carências alimentares, releva.

"Ao virmos ter com o doente conseguimos melhorar um bocadinho as condições em que vive, para que depois o acompanhamento a longo prazo seja melhor", afirma.

As equipas são muitos vezes complementadas com nutricionistas, farmacêuticos, terapeutas ou assistentes sociais que procuram tirar dúvidas à família, adaptar a realidade às necessidades do doente ou informar e acionar apoios sociais que completam as carências do agregado.

A médica sublinha a importância de "conhecer o doente e a família", num complemento à abordagem da medicina interna que procura olhar para o doente "como um todo".

"Conseguir integrar isso no ambiente social do doente é fantástico, é um experiência muito boa", assegura.

 

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Joaquim Lopes Portimão CHUA Humberto Ferreira saúde questões sociais autoridades locais hospitais
Ver comentários