Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Idosa recusa ter alta do IPO

Mulher não consegue andar, mas vai deixar unidade.
Anabela Vaz Jacinto e Manuel Jorge Bento 26 de Novembro de 2015 às 08:55
José Teixeira com os papéis da alta médica dada ontem à mãe, Cândida Oliveira, pelo IPO do Porto
José Teixeira com os papéis da alta médica dada ontem à mãe, Cândida Oliveira, pelo IPO do Porto FOTO: CMTV

"A minha mãe está num estado lastimável. Não consegue andar e o IPO deu-lhe alta". É assim que José Teixeira, descreve o estado da mãe, Cândida Oliveira, de 83 anos, que lutou contra um cancro no intestino há cinco anos, sofreu complicações nas últimas semanas e, após tratamento, foi esta quarta-feira informada de que terá alta médica, sem ter acesso a cuidados continuados.

"A segurança social do IPO negou-os à minha mãe e eu não tenho condições para tratar bem dela. Além de doente, sou reformado", contou José ao Correio da Manhã. A idosa fraturou a anca no mês passado e, depois de complicações intestinais, foi operada e encaminhada para o IPO. Durante o internamento, perdeu mobilidade e deixou de andar.

Ao CM, o IPO refere que a condição social da doente "não permite referenciá-la para a Rede Nacional de Cuidados Continuados". "Continua internada e estamos a prestar apoio", garante a instituição.

A idosa sofre de epilepsia e demência. O filho garante que se ela piorar vai recorrer à justiça.

IPO José Teixeira Cândida Oliveira Rede Nacional de Cuidados Continuados alta hospitalar idosa
Ver comentários