"Maior cordão de beatas" lembra que pontas de cigarro devem ser tratadas como lixo

Iniciativa insere-se nas comemorações da Semana Europeia da Mobilidade.
16.09.18
  • partilhe
  • 0
  • +
As pontas de cigarro devem ser tratadas como lixo e não atiradas ao chão, alertou este domingo uma associação ambiental, em parceria com a Câmara do Seixal, através de uma exposição que pretende ser o "maior cordão de beatas do mundo".

"O objetivo desta iniciativa é sensibilizar a opinião pública para a beata lançada pelo fumador para a estrada ou para zonas de passeio, o que constitui um perigo tendo em conta que, neste momento, o microlixo no mar é a beata. A beata socialmente continua a ser um ato automático do fumador, mas não pode continuar a ser algo que se lança para o chão, porque constitui um risco considerável para o ambiente. Tem de ser tratada como lixo", disse à Lusa o presidente da Associação 10 Milhões na Berma da Estrada, Orlando Martins.

A exposição "(Re)canto do Tejo" foi apresentada na zona ribeirinha do Seixal, no distrito de Setúbal, e reúne cerca de 220 mil beatas, recolhidas durante dois anos na baía do Seixal e na Costa de Caparica, em Almada, por mais de 350 voluntários.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!