Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Maioria dos jovens LGBTQ+ são alvo de bullying

Vítimas escondem a sua identidade de género ou orientação sexual.
Edgar Nascimento 10 de Julho de 2022 às 09:54
População lésbica, gay, bissexual, 
transexual, queer ou em questionamento
População lésbica, gay, bissexual, 
transexual, queer ou em questionamento FOTO: Ricardo Jr
Uma grande parte dos jovens LGBTQ+ ainda escondem a sua identidade de género ou orientação sexual da família e dos amigos. Um estudo da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto concluiu que a maioria das pessoas LGBTQ+ jovens em Portugal ainda são vítimas preferenciais de cyberbullying e de bullying em contextos como a escola, o espaço público e também na família, comparativamente com jovens heterossexuais ou cisgénero. O estudo foi realizado com base nos depoimentos recolhidos junto de mais de 1500 jovens com idades entre os 14 e os 19 anos, que frequentavam o 3º ciclo e o ensino secundário entre setembro de 2020 e julho de 2021.

A população LGBTQ+ (lésbica, gay, bissexual, transexual, queer ou em questionamento) que constitui 45,3% desta amostra, é mais frequentemente vítima de formas de agressão. Entre estas incluem-se o assédio ou insultos, divulgação de boatos e mentiras sobre si, ser ignorada deliberadamente, agressões físicas, roubo ou danificação de bens pessoais, ameaças, comentários, piadas ou gestos de natureza sexual. Os episódios de agressão reportados acontecem sobretudo em espaços como os corredores da escola (57,1%), mas também dentro das salas de aula (39,2%). Segundo os dados analisados, o pessoal docente intervém menos nas situações de bullying quando estas têm como alvo jovens LGBTQ+. Quase metade (45%) de jovens não cisgénero (com uma identidade de género ‘trans’, queer, não binária ou em questionamento) afirmaram que não sentem segurança na utilização de vestiários de ginásio ou casas de banho. O absentismo escolar e pensamentos sobre desistir da escola são mais frequentes em estudantes LGBTQ+, refere o estudo ‘FREE - Fostering the Right to Education in Europe’.
Ver comentários