Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

“Não sou uma tarada sexual”

A professora Ana Margarida, acusada da prática de três crimes de abuso sexual de menores, decidiu finalmente depor em tribunal, após três faltas justificadas com atestado médico. Com o julgamento a decorrer à porta fechada, a arguida conseguiu autorização do Tribunal de Braga para ontem entrar e sair por uma porta traseira com acesso directo à sala de audiências.
27 de Junho de 2009 às 00:30
Professora diz que não tratava os alunos por afilhados e que nem se assumia como madrinha deles
Professora diz que não tratava os alunos por afilhados e que nem se assumia como madrinha deles FOTO: Sérgio Freitas

Durante cerca de três horas de depoimento, negou a prática dos crimes. "Não sou uma tarada sexual como querem provar", ouviu--se Ana Margarida dizer. A professora da Escola EB 2,3 André Soares assumiu apenas ter tido conversas de carácter sexual com os alunos adolescentes, a pedido dos mesmos. Defendeu que eram conversas "pedagógicas e perfeitamente normais".

Levantada a dúvida sobre se alunos de 12 e 13 anos falam de sexo, respondeu, taxativamente. "Acha que não? Claro que falam."

A docente foi confrontada com o facto de ter convidado uma aluna para passar férias, altura em que, alegadamente, terão ocorrido os abusos sexuais. Negou a acusação e desmentiu também ter praticado outros actos de carácter semelhantes para incentivar um rapaz e uma rapariga, ambos de 12 anos, a terem relações sexuais.

Negou ainda adoptar o estatuto de madrinha e tratar os alunos por afilhados, expressões que três dos jovens afirmam ter ser usadas pela professora Ana Margarida durante as aulas.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)